A cannabis do mercado ilícito não é tão potente quanto anunciada, conclui estudo

inflorescencia bud escuro A cannabis do mercado ilícito não é tão potente quanto anunciada, conclui estudo

Uma pesquisa recente comparou produtos de maconha ilícitos e legais na província canadense de Nova Brunswick quanto à potência e contaminantes. As informações foram traduzidas pela Smoke Buddies da CBC News

A cannabis não licenciada não é tão forte quanto você pode pensar, de acordo com um estudo publicado recentemente pelo Conselho de Pesquisa e Produtividade de Nova Brunswick, no Canadá.

Os pesquisadores compararam amostras de produtos ilícitos e legais de cannabis e descobriram que as alegações de potência para produtos ilícitos eram significativamente menos precisas.

site sb A cannabis do mercado ilícito não é tão potente quanto anunciada, conclui estudo

Diane Botelho, a diretora científica do conselho de pesquisa, disse que o estudo foi feito para descobrir se havia qualquer legitimidade para as alegações feitas sobre os produtos de cannabis no mercado ilícito serem “melhores”.

“Nossos cientistas estão curiosos há vários anos para saber se os produtos ilícitos de cannabis eram ou não equivalentes aos produtos de cannabis legais no que diz respeito à saúde e segurança, bem como alegações de potência”, disse Botelho.

Leia também: Cannabis do mercado ilícito europeu em alta histórica do teor de THC

De acordo com a Pesquisa Canadense sobre Cannabis 2020, seis a oito por cento dos canadenses relataram ter obtido cannabis de vendedores ilícitos.

A análise das amostras ilegais descobriu que sua potência frequentemente ficava bem abaixo do que foi alegado. Por outro lado, as alegações de potência para produtos legais eram relativamente precisas.

Para os produtos de inflorescências de cannabis, a análise descobriu que os produtos ilícitos que foram anunciados com uma taxa de potência de 30 a 32 por cento de THC na verdade tinham uma potência média de 13 a 22 por cento. Botelho disse que isso levanta preocupações para os usuários que desejam ter controle sobre sua dosagem.

“Usuários que consomem cannabis e determinam sua dosagem ideal com base na declaração do rótulo de quanto THC ou CBD está no produto, se essas alegações são imprecisas do lado ilícito, então o consumidor não é realmente capaz de fazê-lo”, disse Botelho .

Descobriu-se também que os comestíveis ilegais têm uma taxa de potência muito mais baixa do que o alegado. Os biscoitos e barras de chocolate tinham menos da metade do THC anunciado.

No entanto, os produtos comestíveis ilícitos geralmente ainda tinham uma potência maior do que os produtos regulamentados. Os regulamentos atuais determinam que um produto não pode conter mais de 10 mg de THC, enquanto alguns produtos ilícitos contêm mais de 100 mg de THC.

“Acho que o limite de 10 mg é algo que está levando as pessoas ao mercado ilícito e é algo que talvez devêssemos conversar mais”, disse Botelho.

Leia mais: Empresa lança linha de bebidas com alto teor THC para consumidores experientes

Produtos não licenciados contêm toxinas prejudiciais

O estudo também descobriu que produtos de cannabis ilegais estavam contaminados com micróbios e pesticidas. Esses produtos químicos eram insignificantes ou não eram encontrados em produtos legais.

“Os pesticidas não podem ser usados ​​em produtos licenciados”, disse Botelho. “Existem regulamentos em vigor para proteger a segurança do consumidor”.

Os contaminantes podem ter sérias implicações para a saúde, disse o Dr. Oyedeji Ayonrinde, um educador de cannabis e professor associado da escola de medicina da Queen’s University. Para os consumidores que usam cannabis para tratar condições médicas, a presença de toxinas prejudiciais pode levar a sintomas neurológicos que são difíceis de diagnosticar pelos médicos.

“O paradoxo pode ser que, ao tentar reduzir os sintomas para fins médicos, eles podem realmente desencadear uma doença completamente diferente, que pode confundir os médicos”, disse Ayonrinde.

A presença de produtos químicos tóxicos em produtos de cannabis não licenciados é especialmente preocupante para os consumidores mais jovens de cannabis que ainda estão em desenvolvimento, acrescentou.

Consumo juvenil de cannabis e legalização no Canadá — reconsiderando medos, mitos e fatos

No entanto, pode ser difícil persuadir alguns canadenses a desistir da cannabis não licenciada.

“Muito antes da legalização, a cannabis era do mercado cinza. Havia algo de descolado sobre a cannabis ser de rua e isso deu alguma legitimidade a ela”, disse Ayonrinde.

A solução, disse ele, é que os vendedores regulamentados se mantenham competitivos em termos de preços e trabalhem na marca dos produtos para torná-los mais atraentes para os consumidores que procuram algo mais próximo do que estão acostumados a comprar em mercados ilícitos.

Leia também:

Uruguai estuda venda de maconha para turistas e aumento do teor de THC

#PraTodoVerem: fotografia mostra, ao centro, um bud de cannabis curado repleto de tricomas laranjas e tricomas, e um fundo escuro. Imagem: Unsplash | Nick Harsell.

smokebuddies logo2 A cannabis do mercado ilícito não é tão potente quanto anunciada, conclui estudo

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!