Brasiliense ganha direito de plantar maconha em casa para tratar a depressão

flor cultivo dave Brasiliense ganha direito de plantar maconha em casa para tratar a depressão
Newsletter Open Green

Cannabis será cultivada para tratamento de ansiedade e depressão do estudante; liminar foi expedida pela 15ª Vara Federal do DF. As informações são do Correio Braziliense

Um jovem brasiliense ganhou, na Justiça, o direito de cultivar maconha em casa, para uso medicinal. A planta será utilizada pelo estudante no tratamento da ansiedade e depressão.

O magistrado entendeu que o “conceito sobre saúde deve também abranger o completo bem-estar físico, mental e social do homem”. A liminar que garante o habeas corpus preventivo foi expedido pela 15ª Vara Federal do Distrito Federal.

lazy placeholder Brasiliense ganha direito de plantar maconha em casa para tratar a depressão

O caso analisado foi o do estudante Arthur*, de 21 anos. Há cerca de dois anos, o jovem passou a fazer acompanhamento com uma psiquiatra que o aconselhou a buscar um neurologista para que pudesse receitar a Cannabis como tratamento para os transtornos. À época, além dos remédios psiquiátricos, Arthur usava a maconha e dizia apresentar melhoras, principalmente no estômago — órgão que foi comprometido com o uso prolongado de medicações fortes.

“Eu cheguei num ponto tão crítico da depressão que eu não conseguia fazer mais nada, ficava o dia inteiro dentro do quarto”, conta o jovem ao Correio, relembrando a época em que apresentou um quadro depressivo grave.

Em 2019, Arthur, já fazendo o uso da Cannabis, começava a se recuperar. “A maconha veio para mim como algo salvador. Me ajudou a sair dessas crises todas, desse quadro depressivo grave e a questão da ansiedade”, afirma o estudante, que completa: “Ajudou a me sentir muito bem de forma geral, e de estar apto a fazer as coisas do dia a dia, como ir à aula da faculdade. Estou muito feliz e meus pais também”, disse.

Atualmente, o jovem utiliza a Cannabis inalada e o óleo medicinal da Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (Abrace Esperança) — uma associação que também conquistou o direito de cultivar a Cannabis medicinal na Paraíba e que distribui para associados em todo o Brasil por um preço mais acessível.

Leia mais: Fumar maconha reduz sintomas de ansiedade, depressão e estresse, segundo estudo

Decisão liminar

O habeas corpus preventivo — que resguarda o direito da pessoa de fazer, dentro da lei, o que vem a ser considerado ilícito pelo Código Penal, no caso, o plantio e uso da Cannabis — foi protocolado pelos advogados Gabriel Dutra Pietricovsky e Rodrigo Mesquita. Assim, por causa da liminar, Arthur não terá problemas com a polícia.

Segundo Pietricovsky, apesar de se tratar de uma decisão de ordem provisória, o advogado se diz confiante de que a deliberação seja mantida e que Arthur possa continuar com a sua plantação e, por consequência, o tratamento.

Tem muito juiz que tem um entendimento mais contemporâneo de que essa planta serve para curar doenças, serve para melhorar a vida das pessoas […] logo mais vai virar um senso comum em todas as Varas do país [o uso da Cannabis medicinal], mas que ainda é um tabu, principalmente no Brasil”, explicou o advogado ao Correio.

Segundo a defesa, o processo foi protocolado em 15 de julho, mas, desde 31 de março, Arthur e os advogados estavam indo a consultas com especialistas para emissão dos laudos.

Ao todo, três laudos foram entregues atestando a necessidade do Arthur em fazer uso da Cannabis medicinal. Um neurologista, um psiquiatra e um psicólogo foram consultados.

Leia mais: Manter cultivo de maconha medicinal proibido multiplicará ações na Justiça, diz presidente da Anvisa

Família aliviada com respaldo judicial

Arthur ressalta que não só ele, mas também os pais do jovem ficaram muito contentes com a liminar judicial. Segundo ele, a família sempre se mostrou muito preocupada em relação ao que o estudante tinha que fazer para conseguir a medicação, como colocar a própria vida em risco.

“Como o acesso [à maconha] no Brasil é ilegal, traz muitas preocupações e muito estresse. Risco de violência, não só à vida, mas risco de violência policial. Isso é uma coisa que sempre estressou muito os meus pais. Nós estamos muito gratos e aliviados com essa decisão. Assim acaba esse estresse todo e eu consigo ter acesso ao tratamento”, concluiu Arthur.

Depressão é um dos transtornos mais comuns do século

A depressão é um dos transtornos mais comuns do século 20. De acordo com especialistas, pessoas que não recebem o tratamento adequado podem vir a chegar à consequência mais grave, o suicídio.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil, 5,8% da população apresenta algum quadro depressivo — a média global é 4,4%. Ou seja, o país tem cerca de 12 milhões de pessoas diagnosticadas com depressão.

O Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, pelo número de telefone 188 e pelo site.

*Arthur prefere não divulgar o sobrenome.

Leia também:

Justiça de Minas autoriza plantio de maconha para tratamento de criança com epilepsia e autismo

#PraCegoVer: a imagem de capa traz a fotografia de um cultivo de maconha com flores de pistilos alaranjados e brancos, com foco em uma delas, no primeiro plano. Foto: Dave Coutinho | Smoke Buddies.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!