Movimento Black Lives Matter desencadeou ‘despertar coletivo’ sobre as políticas de maconha

mulheres protesto black lives matter Movimento Black Lives Matter desencadeou despertar coletivo sobre as políticas de maconha

Enquanto os protestos por justiça racial varriam os EUA em junho e julho, alguns estados e cidades mudaram seus regulamentos sobre a maconha. As informações são do Politico e a tradução pela Smoke Buddies

Estados e cidades em todo os EUA revisaram suas políticas de maconha nos últimos meses, impulsionados pelos protestos Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) contra a desigualdade racial e a brutalidade policial.

Desde que os protestos começaram no início de junho, muitos estados e municípios adotaram novos regulamentos sobre a cannabis. Nashville, Tennessee, parou de processar casos menores de porte de maconha. Portland, Oregon, redirecionou toda a receita de impostos sobre a cannabis para fora do Departamento de Polícia de Portland. A legislatura do Colorado aprovou uma proposta há muito paralisada para tratar da equidade social e descartar velhas condenações por maconha, e o condado de Sonoma, na Califórnia, e o estado de Nova York expandiram seus programas para apagar os registros criminais de cannabis.

lazy placeholder Movimento Black Lives Matter desencadeou despertar coletivo sobre as políticas de maconha

Os negros americanos foram afetados desproporcionalmente pela repressão à maconha por décadas e têm quatro vezes mais probabilidade de serem presos do que os brancos, apesar das taxas de uso semelhantes, de acordo com a ACLU. Legisladores e defensores dizem que os protestos pela justiça racial que começaram depois que George Floyd, Breonna Taylor e outros foram mortos persuadiram autoridades eleitas vacilantes a apoiarem mudanças nas políticas de drogas, motivaram os promotores a tomarem a ação há muito esperada e abriram a porta para novas conversas sobre a reforma da política de maconha.

Senador cita criminalização da maconha como exemplo de injustiça racial que motiva protestos

Em outubro, os senadores democratas Sharif Street e Daylin Leach apresentaram um projeto de lei para legalizar a maconha na Pensilvânia. Street disse que no início, apenas cerca de três legisladores democratas apoiaram o projeto publicamente. O projeto de legalização provavelmente não será aprovado nesta sessão, mas depois que os protestos raciais começaram na Pensilvânia, o apoio entre seus colegas democratas cresceu exponencialmente. Em julho, 15 dos 21 senadores democratas da Pensilvânia, incluindo Street, assinaram uma carta pedindo a aprovação do projeto.

“O fato é que foi depois de tudo isso — esses protestos sociais — que tivemos uma grande quantidade de membros democratas que decidiram que agora é a hora de assinar uma carta” pedindo a legalização, disse Street.

A cannabis foi legalizada no Colorado há quase oito anos, mas sem um programa de equidade social ou eliminação das condenações relacionadas à cannabis. O deputado estadual democrata Jonathan Singer foi o primeiro a defender a eliminação dos registros de cannabis em 2014 e pressionou para que as acusações de porte de maconha fossem eliminadas desde então.

Mas Singer disse que foram os protestos em torno da justiça racial que finalmente levaram a proposta à mesa do governador com forte apoio bipartidário — o projeto de lei de equidade social e expurgações obteve apenas um voto “não” no Senado estadual. O governador democrata Jared Polis sancionou o projeto de lei no final de junho.

“Provavelmente não teríamos visto um projeto de lei sobre equidade da cannabis apresentado tão tarde na sessão sem o movimento [Black Lives Matter]”, disse Singer. “Houve um despertar coletivo”.

Mesmo os defensores da antilegalização dizem que o interesse do público na política de maconha como uma questão de justiça criminal foi despertado.

“Na verdade, é interessante que nos deu a oportunidade de ter conversas que normalmente não teríamos”, disse Kevin Sabet, fundador da Smart Approaches to Marijuana, que defende a descriminalização da maconha, mas não a legalização. Sabet disse nas últimas semanas que conversou com defensores da justiça racial sobre como remover as penalidades para o uso de maconha sem a legalização total.

Sabet também disse que não acredita que essas conversas tenham tido um grande efeito na política até agora.

“Não houve um impacto tão grande na conversa como pensávamos que poderia haver no início”, disse ele, apontando que a legalização total não foi incluída na plataforma do Partido Democrata de 2020.

“Certamente não ouvi falar de ninguém que não fosse a favor da legalização antes que disse: ‘Bem, agora isso está me tornando a favor’”, disse Sabet.

De fato, muitos dos estados e cidades que mudaram suas políticas de maconha já estavam se movendo nessa direção. Nashville passou os últimos seis anos reduzindo o número de prisões por maconha, antes que os protestos motivassem o procurador-geral distrital Glenn Funk a parar de processar o porte inteiramente. Portland já estava reavaliando para onde a receita do imposto sobre a cannabis era direcionada, e o movimento “desfinanciar a polícia” forneceu o catalisador para o conselho municipal mudar o orçamento. Em muitos desses casos, as conversas em torno da justiça racial simplesmente empurraram a legislação para a linha de chegada em uma jurisdição que já estava trabalhando nela.

Governador da Califórnia diz que legalização da maconha é um dos direitos civis nos EUA

E está claro que a conversa sobre justiça racial não convenceu a maioria dos céticos.

Na Pensilvânia, por exemplo, a loja estadual da Ordem Fraternal da Polícia não está mudando sua posição antilegalização. Mesmo alguns legisladores democratas no estado permanecem não convencidos sobre o atual esforço de legalização, apesar das manifestações.

A senadora estadual Judy Schwank é uma democrata que não assinou a carta de legalização de Street. Embora seus constituintes apoiem o conceito de vendas recreativas, Schwank disse acreditar que deveria haver mais conversas sobre como é a política antes que a legislatura comece a ter audiências.

Schwank também disse que os protestos Black Lives Matter não mudaram a opinião de seus eleitores, que estão mais interessados ​​na cannabis como um benefício econômico. Esses mesmos cifrões, disse ela, também tendem a influenciar os republicanos da Câmara — os mais fortes oponentes da legalização.

“Em áreas mais urbanas, acho que eles entendem que este é um problema cujo tempo chegou, e o movimento Black Lives Matter colocou isso em foco”, disse Schwank. “Mas se ele moveu os caras do ‘não sobre meu cadáver’, eu não sei”.

No Capitol Hill, não está claro se os protestos pela justiça racial afetaram a motivação para aprovar a reforma da política de maconha. Embora muitos dos defensores mais proeminentes da questão tenham ficado em silêncio sobre a legalização federal nos últimos dois meses, os líderes da Câmara estão agora considerando uma votação sobre o Ato MORE — que removeria a cannabis do Ato de Substâncias Controladas e eliminaria alguns registros — em algum momento neste outono.

“A conversa sobre a criminalização das drogas mudou muito, e eu acredito que as pessoas agora estão olhando para isso com as lentes da justiça racial”, disse a deputada Alexandria Ocasio-Cortez (D-NY). Embora a reforma da maconha não acabe com a brutalidade policial por si só, disse Ocasio-Cortez, a repressão à maconha é frequentemente usada como pretexto para a violência policial — e os legisladores podem facilmente olhar para a questão de ambas as direções. “Existem essas duas áreas que estão em tensão uma com a outra”, disse ela.

Em junho, o Congresso tentou chegar a um acordo sobre a reforma da polícia. A Câmara aprovou um amplo projeto de lei sobre o policiamento, em grande parte em linhas partidárias. Os republicanos do Senado introduziram um pacote mais modesto de reformas, que os democratas do Senado acabaram matando porque não foi longe o suficiente. O que faltava na proposta de qualquer uma das câmaras era algo que revisasse as políticas federais sobre a maconha. Mesmo muitos dos mais ardorosos defensores da legalização da maconha como reforma da justiça criminal ficaram em silêncio.

O senador Bernie Sanders (I-VT) pediu a legalização da maconha no plenário do Senado, mas os senadores Cory Booker (D-NJ) e Kamala Harris (D-CA) — ambos patrocinam projetos de legalização — não o fizeram. Os representantes Earl Blumenauer (D-OR) e Barbara Lee (D-CA) escreveram uma carta pedindo a seus colegas da Câmara que incluíssem a legalização da maconha no projeto de policiamento — mas o fizeram sozinhos. Mesmo o presidente do Comitê Judiciário da Câmara, Jerry Nadler (D-NY), que introduziu o Ato MORE, não se juntou a eles.

“Você tem partes deste caucus… que são bastante conservadoras, ou têm ideias muito específicas sobre como a maconha deve ser legalizada”, disse Ocasio-Cortez, que não assinou a carta de Blumenauer-Lee, mas que pressionou o Congresso a votar sobre a legislação sobre a maconha relacionada à justiça criminal antes de questões da indústria, como os bancos. “A quantidade de desacordo sobre isso realmente paralisaria… qualquer tipo de esforço de legalização”.

Ocasio-Cortez disse que os governos locais têm uma capacidade maior para lidar com a descriminalização e a legalização.

Embora as legislaturas estaduais frequentemente se movam mais rapidamente em questões polêmicas de política de drogas do que o Congresso, ainda demorou seis anos para que o projeto de expurgação da maconha de Singer fosse aprovado no Colorado, que é esmagadoramente pró-cannabis. O legislador com mandato limitado deixará o cargo no final deste ano e disse que não poderia ter vivido consigo se não tivesse feito tudo ao seu alcance para que isso acontecesse.

“Este é um daqueles famosos pontos de inflexão da história”, disse Singer. “Você nunca pode prever exatamente onde esses pontos de inflexão ocorrem, mas quando eles acontecem, você tem que aproveitar o momento e fazer o melhor que puder, porque você nunca sabe quando o pêndulo vai balançar para o outro lado”.

Leia também:

Congressista pede o fim da criminalização da maconha em reunião sobre policiamento, nos EUA

#PraCegoVer: em destaque, fotografia em preto e branco que mostra várias mulheres durante os protestos segurando cartazes com palavras como “Demilitarize the police” e “Black Lives Matter”. Foto: Johnny Silvercloud | Flickr.

lazy placeholder Movimento Black Lives Matter desencadeou despertar coletivo sobre as políticas de maconha

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!