Startup de biotecnologia ganha patente para combinar maconha e cogumelos psicodélicos

planta bud kalini asia Startup de biotecnologia ganha patente para combinar maconha e cogumelos psicodélicos

A empresa baseia-se na teoria de que os benefícios de psicodélicos vêm de uma combinação de substâncias químicas trabalhando juntas. As informações são do Future Human

Seja visando aumentar o crescimento espiritual, seja para acender a música no Lollapalooza, as pessoas vêm combinando cannabis e cogumelos “mágicos” de psilocibina recreativamente há anos. Mas uma pequena startup de biotecnologia chamada CaaMTech Inc. acaba de se tornar a primeira a patentear a ideia.

A patente cobre toda uma gama de canabinoides — compostos químicos produzidos nas plantas de maconha, como THC ou CBD — misturados com um conjunto de substâncias químicas relacionadas aos cogumelos psilocibinos. Ele detalha uma miríade de formulações, incluindo pó seco, pílulas, gomas e comestíveis, com uma série de aplicações propostas para distúrbios psicológicos. A empresa, com sede no subúrbio de Issaquah, em Seattle (Washington, EUA), espera que os investidores queiram licenciar essas formulações, que combinam um canabinoide com um derivado da psilocibina, seja para tratar a saúde mental ou para entreter um mercado de uso adulto ainda inexistente. O Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos concedeu a patente em meados de janeiro.

site sb Startup de biotecnologia ganha patente para combinar maconha e cogumelos psicodélicos

“A droga sozinha frequentemente se comporta de maneira diferente das combinações das drogas”, disse o CEO e cofundador da CaaMTech Andrew Chadeayne, PhD, ao Future Human. “Você tem que preencher uma espécie de espectro de coisas diferentes”.

Separadamente, tanto a cannabis quanto a psilocibina estão sendo exploradas por pesquisadores para tratar distúrbios de saúde mental. Uma revisão de 2020, publicada na BMC Psychiatry, examinou 13 estudos usando canabinoides para tratar distúrbios de saúde mental e encontrou “evidências encorajadoras, embora embrionárias, da cannabis medicinal no tratamento de uma variedade de transtornos psiquiátricos”, incluindo ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático.

No entanto, com base nos dados limitados e poucos ensaios clínicos bem desenhados disponíveis, a evidência era “muito fraca” para recomendar a administração de cannabis aos pacientes. As evidências para psilocibina e saúde mental são mais fortes. Uma meta-análise publicada em janeiro de 2020, no Journal of Psychoactive Drugs, destacou o grande tamanho do efeito e poucos efeitos colaterais da psilocibina para ansiedade e depressão no fim da vida.

Leia: Brasileiros estudam psicodélicos para tratar depressão e transtorno por uso de drogas

Na década de 1950, relatos anedóticos de pessoas comendo cogumelos e aliviando sua depressão e ansiedade levaram cientistas a testar a psilocibina em um laboratório. No entanto, a quantidade de substâncias químicas em cada cogumelo pode variar amplamente e, hoje, os pesquisadores não podem dar aos pacientes uma quantidade não mensurada de uma droga — pelo menos, não se eles querem a aprovação da Administração de Alimentos e Drogas (FDA) dos EUA. Portanto, a maioria dos estudos modernos envolvendo drogas psicodélicas usa um único composto purificado. Mas poucos estudos analisaram o efeito que essas drogas podem ter quando combinadas.

Embora a patente de canabinoide e psilocibina seja a primeira da CaaMTech a ser aprovada, a empresa entrou com mais de 110 pedidos de patentes relacionadas a psicodélicos desde 2017 e planeja desenvolver mais tratamentos que envolvam a combinação de drogas que atuam nos receptores de serotonina. A ideia é baseada na teoria de que os benefícios das plantas psicodélicas e dos fungos não vêm de um único composto dentro deles, como o THC, mas de uma combinação de substâncias químicas trabalhando juntas. Os cientistas que estudam como as drogas atuam no cérebro chamam isso de efeito entourage (comitiva).

O efeito entourage não é universalmente aceito entre os cientistas, mas a evidência mais forte para ele existe na cannabis. Por décadas, os pesquisadores acreditaram que o THC era a única molécula responsável pelos efeitos psicoativos da maconha. Então, os cientistas descobriram que o CBD e outros compostos produzidos por plantas de cannabis resultaram em diferentes efeitos físicos e mentais quando aplicados em proporções diferentes.

Por exemplo, um estudo sugeriu que a maconha com alto teor de THC, mas baixo teor de CBD, pode causar mais efeito inebriante nas pessoas em comparação com a maconha com uma quantidade igual de ambos. Algumas cepas de maconha parecem ser melhores para dormir, outras para dor, e alguns cientistas atribuem a diferença a essas proporções. Em um estudo de 2018, na Biochemical Pharmacology, os pesquisadores aplicaram THC puro versus uma preparação de buds de cannabis embebidos em etanol em camundongos com câncer de mama. Eles descobriram que a mistura tratava os tumores melhor do que a droga purificada. Alguns canabinoides podem desencadear a morte celular em tumores, de acordo com uma revisão de 2019, mas a maior parte desta pesquisa foi realizada em placas de Petri e em animais, não em humanos.

Chá de ayahuasca estimula a formação de novos neurônios, segundo estudo

Em 2018, a empresa farmacêutica com sede no Reino Unido GW Pharmaceuticals se tornou a primeira empresa a obter a aprovação da FDA para uma droga para epilepsia feita de plantas de cannabis. Chamada de Epidiolex, é uma mistura patenteada de CBD, terpenos e outros canabinoides, em vez de uma única substância.

Também há algumas evidências de que o efeito entourage existe em psicodélicos. Por exemplo, a ayahuasca é uma decocção sul-americana de várias plantas da floresta: algumas que contêm a droga psicodélica DMT e outras que contêm outra droga chamada inibidor da monoamina oxidase, ou IMAO. Por conta própria, essas substâncias não produzem muito efeito psicoativo porque o DMT não é ativo por via oral — o corpo a decompõe muito rápido para ter qualquer efeito. Mas combiná-las permite que o IMAO previna o colapso da DMT e cria uma experiência psicodélica de longa duração.

Mesmo assim, Peter Cogan, PhD, professor associado de ciências farmacêuticas na Universidade Regis, em Denver (EUA), analisou alguns dos mais conhecidos estudos sobre o efeito entourage e descartou o fenômeno como “miscelânea de haxixe”, acrescentando que “tais afirmações no campo científico e literatura leiga têm fomentado sua deturpação e abuso por uma indústria mal regulamentada”.

Em 2020, pesquisadores da Nova Zelândia observaram como os canabinoides e terpenos interagem nos receptores CB1 e CB2 — onde drogas como o THC têm seus efeitos mais diretos — e não detectaram sinergia. Ou seja, combinar as substâncias químicas não produziu um impacto maior. Isso não exclui o efeito entourage inteiramente, mas sugere que, se esses compostos estão trabalhando juntos, provavelmente não é nesses receptores que ocorre o fenômeno.

A CaaMTech está trabalhando para caracterizar psicodélicos obscuros, e Chadeayne acredita que a compreensão dessas drogas em um nível atômico vai lançar mais luz sobre o efeito entourage. Também tem testado se as moléculas de canabinoides e análogos de psilocibina funcionam sinergicamente no receptor de serotonina 2A do cérebro, que está envolvido com a depressão.

Para testar a teoria, a CaaMTech construiu ensaios celulares usando células de hamster acopladas a uma molécula fluorescente, que se acende de forma que um computador pode medir quanta atividade está acontecendo na célula. Se a combinação de duas drogas produz muito mais atividade do que qualquer uma delas sozinha, então entende-se que cada substância torna a outra mais eficaz. Com base nos dados preliminares do laboratório, que ainda não foram revisados ​​por pares, colocar um canabinoide e um derivado de psilocibina juntos cria significativamente mais sinergia.

Leia mais – Cogumelos mágicos: psilocibina é quatro vezes mais eficaz do que antidepressivos

A prova de que essa combinação produz um efeito maior é apenas o começo. Mais pesquisas são necessárias para determinar se esse efeito é benéfico de alguma forma. Matthew Baggott, PhD, um neurocientista que estuda psicodélicos há 30 anos, observa que fazer uma combinação de drogas tem certas compensações. “Uma das considerações com essas possíveis preparações com vários ingredientes é que você ganha praticidade, mas perde alguma capacidade de ajustar as doses dos ingredientes individuais”, diz ele. “E isso pode ser uma grande desvantagem se a dose exata for importante e variar de pessoa para pessoa”.

Embora o efeito entourage possa ser um motivo para testar combinações de psilocibina e canabinoides em tratamentos, também há um motivo comercial: não é possível patentear THC ou psilocibina por conta própria — essas drogas existem na natureza e são conhecidas pela ciência há décadas — mas é possível patentear uma combinação das duas. Obter a aprovação da FDA para uma combinação dessas drogas pode ser outra questão, pois os órgãos reguladores podem estar mais interessados ​​em drogas isoladas.

“Se funcionar bem o suficiente para que você possa tratar as pessoas com ela, então provavelmente é uma boa estratégia ir para a substância química pura, porque é para isso que o sistema foi configurado”, diz Baggott. “E é muito, muito mais difícil conseguir aprovação para algo que é uma espécie de guisado de diferentes compostos”.

Por esse motivo, pode haver mais interesse em usar a patente da CaaMTech para criar uma droga recreativa que combina canabinoides e psilocibina do que uma aprovada para tratar distúrbios de saúde mental.

Outra alternativa, que não exigiria a aprovação da FDA, é licenciar esta combinação para terapeutas que se inscreverem no próximo programa de terapia com psilocibina do Oregon, que foi aprovado pelos eleitores durante a última eleição. Flórida, Havaí e Connecticut também estão considerando leis semelhantes que também estabeleceriam programas para as pessoas tomarem psicodélicos em terapia.

Mesmo se esta patente de cannabis/psilocibina não entregar a lua para CaaMTech, “compreender os psicodélicos naturais e as drogas psicoativas e aprender como essas combinações funcionam juntas será importante do ponto de vista puramente científico”, diz Chadeayne. “O que estamos fazendo é tentar dar [às pessoas] as ferramentas para descobrir quais produtos ou produtos recreativos serão os melhores para as pessoas. E tenho certeza de que a maneira de fazer isso é saber quais são as drogas e o quanto de cada”.

Leia também:

Primeiro centro de pesquisa e cultivo dedicado a cogumelos psicodélicos é inaugurado na Jamaica

#PraCegoVer: em destaque, fotografia que mostra o topo de uma planta de cannabis da cepa Kalini Asia, com um bud vigoroso ao centro de várias folhas serrilhadas, onde predomina a cor roxa, devido à iluminação. Foto: Majestic | SeedFinder.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!