BBB21: Gilberto fez mestrado sobre os impactos da repressão ao tráfico de drogas

gilberto bbb BBB21: Gilberto fez mestrado sobre os impactos da repressão ao tráfico de drogas

Em sua dissertação, Gilberto diz que a falha na política de repressão ao tráfico pode ser explicada pela maior ênfase da ação policial no varejo de drogas, do que no atacado, e a corrupção policial. Entenda mais no texto de Henrique Oliveira*

Gilberto José Nogueira Júnior, pernambucano e participante do Big Brother Brasil 21, reality show da Rede Globo, é mestre em economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal de Pernambuco (PIMES). Em 2019, ele defendeu a dissertação “Mercado de Drogas e Repressão: Efeitos da Intervenção Governamental sobre a Violência gerada pelo Mercado de Drogas numa Rede Verticalmente Relacionada”.

Em uma curta dissertação de 66 páginas, que pode ser lida clicando aqui, Gilberto discutiu a relação existente entre a revenda de drogas e a violência, seja a violência realizada pela polícia, que visa impedir a venda de drogas no atacado e no varejo, seja a estratégia de violência dos traficantes, para enfrentar a repressão policial e impedir a entrada de concorrentes no lucrativo mercado das drogas ilegais.

gravital BBB21: Gilberto fez mestrado sobre os impactos da repressão ao tráfico de drogas

Na dissertação, Gilberto demonstrou que a existência do tráfico de drogas produz uma violência sistemática, que se relaciona com o grau de agressividade que os traficantes utilizam para manter e conquistar o mercado, e como as ações repressivas do Estado contribuem para o aumento dessa violência, produzindo 85% das mortes, enquanto que as mortes causadas pelo consumo direto das drogas representam uma cifra menor que 3%.

O tráfico de drogas pode ser caracterizado como mercados abertos e fechados, cobertos e descobertos, sendo que o mercado aberto é aquele em que o vendedor se relaciona com os potenciais consumidores, tomando cuidado para que esses consumidores não sejam policiais disfarçados, ao tempo em que precisa evitar assaltos ou a tomada do seu território pelos concorrentes. No mercado fechado, compradores e vendedores tem uma relação de confiança e uma rede de contato garante a segurança das transações comerciais.

No mercado descoberto, a venda de drogas acontece em ambientes públicos, delimitados e fixos, gerando uma insegurança, pois possibilita as ações dos concorrentes e da polícia, em que se faz necessário o uso da arma de fogo. Nos mercados cobertos, as transações comerciais ocorrem em ambiente privado, muitas vezes em espaços virtuais, o volume de drogas vendido é em grande quantidade e se opta pela discrição, o que torna a relação mais segura e não violenta.

Leia mais – NarcoEvangélicos: um conto não tão distópico sobre o Brasil

Acesse Pufflife.com.br

Esse mercado de drogas acontece de forma verticalizada, quer dizer, o produtor repassa as drogas ao traficante atacadista, que por sua vez repassa essa droga ao traficante varejista, que lida diretamente com o consumidor. No setor do atacado atua uma quantidade reduzida de grupos comerciais, quando comparado ao setor varejista, o que garante ao traficante atacadista um lucro mais positivo em relação àquele alcançado pelo traficante varejista. Segundo Gilberto, a forma vertical em que ocorre o tráfico de drogas deve-se ao fato de que tanto o atacado quanto o varejo das drogas apresentam poder de mercado, podendo estabelecer um preço acima do custo e prejudicar o produtor.

Em relação à ação policial, a repressão é ineficiente para afetar o nível dos preços no mercado de drogas, assim como no controle da demanda e acesso dos consumidores a esse mercado. A repressão policial ao mercado de drogas causa aumento nos preços, só que, ao invés de dificultar a venda das drogas, a repressão estimula a atividade comercial de produtores e comerciantes, que se beneficiam pelo alto retorno que podem ter ao investir na oferta de drogas.

Da mesma forma ocorre quando a polícia prende os traficantes, fazendo com que o custo de traficar se torne mais elevado, aumentando os preços com a diminuição da oferta e propiciando a ocorrência de disputas violentas pelo lucrativo negócio. A prisão de um traficante logo é reparada pela substituição por outro traficante, e quando o traficante que está preso é solto, o mesmo voltará ao mercado elevando o número de traficantes, aumentando a oferta e reduzindo os preços.

Na conclusão da dissertação, Gilberto diz que a falha na política de repressão ao tráfico de drogas pode ser explicada por uma maior ênfase da ação policial no varejo de drogas, do que no atacado, e pela corrupção policial, que facilita a vida dos traficantes. Porque, se existe uma relação positiva entre a repressão e o mercado de drogas, consequentemente, a redução da violência no varejo de drogas somente ocorrerá quando a polícia for mais eficiente em reprimir o setor atacadista, onde atuam os traficantes mais ricos.

*Henrique Oliveira é historiador e militante antirracista contra a proibição das drogas.

Leia também:

Enxugando gelo: apreensão de maconha em 2020 bate recorde sem afetar o tráfico de drogas

#PraCegoVer: foto que mostra Gilberto com uma camisa rosa e a mão na boca, fazendo gesto de “al bacio”, próximo ao totem do mascote do BBB, em fundo de cor laranja. Imagem: reprodução / Instagram.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!