Atletas profissionais que amam maconha estão sendo patrocinados pela cannabis

pernas pista Atletas profissionais que amam maconha estão sendo patrocinados pela cannabis

Cannabis e esportes podem não parecer como coisas que se misturam. Mas para alguns atletas, a planta é parte integrante do sucesso. As informações são da VICE e a tradução pela Smoke Buddies

Em um sábado típico, às 4h30, a ultramaratonista competitiva de Boulder, no Colorado, Flavie Dokken, toma 5 mg de Wana Recreational Tarts, calça o tênis de corrida e sai para uma corrida de cinco horas. Mas Dokken não é uma típica ‘stoner’, ela usa cannabis como parte de sua rotina de exercícios e é patrocinada pela Wana Brands, uma empresa de cannabis que produz produtos com infusão da planta. Dokken disse à Vice que as gomas a ajudam a sintonizar sua respiração. Embora Dokken use THC (tetraidrocanabinol, o elemento psicotrópico da cannabis) durante o treinamento, ela para de usá-lo uma semana antes do dia da corrida por causa dos testes de drogas.

“Estilo de vida ativo” pode não ser um conjunto de palavras comumente associado ao uso de cannabis. Mas as empresas de cannabis estão tentando mudar isso patrocinando atletas e equipes atléticas, levando-as a postar fotos de produtos em suas grades do Instagram ou a colocar adesivos da marca em seus equipamentos esportivos, a fim de ganhar visibilidade com os fãs dos atletas.

Marcas como Nike, Saucony e New Balance, sinônimos da indústria de corrida, não permitem que seus atletas sejam associados à cannabis. Mas isso não significa que eles nunca consumam. Dokken disse que conhece alguns que o fazem. Eles não apenas são discretos quanto ao uso, mas também evitam serem ligados a ela por medo de culpa por associação. Ela disse que esses atletas “não me seguem no Instagram”, mas também afirma que quando ela usa seu equipamento Wana nas trilhas do Colorado, “as pessoas me dão um high-five, o que é incrível”.

Mesmo que as grandes marcas não queiram falar sobre o uso da cannabis, ela é cada vez mais sancionada oficialmente por atletas profissionais e amadores: em 2018, o Código da Agência Mundial Antidopagem (WADA) removeu o CBD de sua lista de substâncias proibidas, e permite a um atleta ter THC em seu sistema durante um teste aleatório de drogas fora da competição. Mas o THC ainda é uma substância proibida para testes de drogas pós-corrida ou em competição; tudo isso significa que os atletas podem usar cannabis durante a entressafra e até mesmo durante o treinamento, mas não podem competir com a droga em seu sistema.

Leia mais: Novo código antidoping prevê apenas advertência para drogas como maconha e cocaína

Em 2018, o Canadá legalizou a maconha com o Cannabis Act, que proíbe os atletas de serem patrocinados por empresas de cannabis. O lutador canadense de MMA Elias Theodorou está tentando mudar isso. Ele usa cannabis para o tratamento da dor na neuropatia bilateral em suas extremidades superiores (dor crônica nos pulsos, cotovelos, parte superior do pescoço e coluna vertebral). “O médico receitou cannabis é a melhor opção médica para controlar minha dor”, disse ele à VICE“Medicamentos tradicionais de primeira linha, como analgésicos, opioides e AINEs tiveram efeitos colaterais prejudiciais ao meu corpo, tanto como paciente quanto como atleta”.

Theodorou, que foi patrocinado por Pert Plus, Mattel e Coors Light, explicou: “Essa luta não é apenas sobre o trabalho com empresas de cannabis, mas também a necessidade de derrubar as barreiras e a percepção negativa que outras empresas podem ter com a cannabis”.

Mendi, uma startup de CBD, tem “embaixadores atletas” que ajudam a promover seus produtos, incluindo a jogadora de futebol e vencedora da Copa do Mundo Feminina Megan Rapinoe e sua namorada, a jogadora da WNBA Sue Bird. Os embaixadores atletas recebem produtos Mendi para promover em seus canais sociais e participam de eventos da Mendi. A empresa foi fundada pela irmã gêmea de Rapinoe, Rachael, que também é ex-jogadora profissional de futebol. Embora o CBD seja banido na WNBA, Bird o usa nos períodos de entressafra. Ela disse à New York Magazine: “É ótimo para recuperação e me relaxa. Geralmente tomo à noite para dormir, o que ajuda na recuperação, e tive resultados surpreendentes”.

Supercraque dos EUA, Megan Rapinoe fala sobre maconha e feminismo

Embora o uso de cannabis possa parecer diametralmente oposto ao que um atleta valoriza — inação versus ação —, calma, relaxamento e descanso são parte integrante do sucesso e bem-estar geral dos atletas. Mas os atletas não limitam o uso às horas vagas em nossos tempos modernos: em 2019, a Universidade do Colorado Boulder divulgou um estudo sobre mais de 600 corredores com cannabis legalizada, que constatou que 80% dos usuários de cannabis misturavam exercícios com uso da erva. Embora a cannabis não seja uma droga que melhore o desempenho, Rosemary Mazanet, diretora científica da Columbia Care, afirmou à VICE que pode ajudar a diminuir a ansiedade no desempenho. “Você pode estar mais no momento e se divertir mais, ser mais ágil e mais flexível”, disse Manazet.

A pneumologista Vandana A. Patel enfatizou à VICE por e-mail que fumar cannabis pode afetar negativamente o desempenho de um atleta. “A inalação de cannabis pode causar lesões estruturais nos pulmões, como a formação de bolsas de ar no pulmão, que podem se romper com o aumento do estresse físico”. Por esse motivo, muitos atletas, como Dokken, aderem aos comestíveis.

Os donos do dispensário Tokyo Starfish, com sede em Oregon, já haviam trabalhado anteriormente no setor de snowboard antes de fazer a transição para a abertura de um dispensário. O snowboarder profissional patrocinado pela Tokyo Starfish, Max Warbington, explicou que o dispensário se concentra no aspecto do estilo de vida do snowboard, e não no aspecto do desempenho.

A snowboarder Nora Beck, patrocinada pela Starfish, em Tóquio, disse à VICE que usa cannabis durante o snowboard quando precisa relaxar. Ela explica: “É como se você estivesse no hiperdrive e só precisasse diminuir um pouco o volume”.

Leia: Golfistas adotam o CBD, mesmo que sua polidez seja questionada

“O Tokyo Starfish está realmente investindo no snowboard e eles entendem que eu estou lá fazendo o meu trabalho como um snowboarder profissional e apenas o fato de eu ter o adesivo do Tokyo é como um bônus total para eles”, disse Warbington. Como snowboarder profissional patrocinado pelo Tokyo Starfish, Warbington envia à empresa vídeos e fotos durante todo o inverno. Ele também veste suas camisetas e moletons e os comercializa para os fãs de snowboard em suas mídias sociais.

Quando perguntado se ele sente que há um estigma como atleta patrocinado por uma empresa de cannabis, ele respondeu: “Eu acho que eles provavelmente sempre terão [um estigma] da mesma forma que há um estigma com álcool porque é uma substância que as pessoas abusam”.

Em uma entrevista por telefone com a VICE, Warbington disse que está particularmente consciente de sua imagem. “Definitivamente, não quero empurrar ela [cannabis] para os jovens e é por isso que sempre gosto de pregar isso”. Ele não permite que o Tokyo Starfish publique imagens em suas redes sociais dele fumando maconha, embora Warbington às vezes publique uma foto de um baseado em seus stories pessoais do Instagram. Ele disse: “Eu sempre desconfio delas por causa da minha influência”.

Marcas como Tokyo Starfish e Wana estão tentando combater associações negativas com a cannabis. Elas querem que o público associe a droga recreativa a um estilo de vida ativo. Warbington disse que é realmente importante para ele que as pessoas saibam que ele e seus companheiros de equipe do Tokyo Starfish não personificam o estereótipo de “chapado preguiçoso”. Longe disso. “Nós estamos aqui fumando maconha”, disse ele. “Somos a primeira pessoa a subir [as encostas de manhã] e a última a deixar a montanha”.

Leia também:

Como a maconha se tornou ‘algo comum’: ligas esportivas abandonam políticas antigas

#PraCegoVer: em destaque, foto tirada próximo ao nível do chão que mostra a parte de trás das pernas de uma pessoa, com short curto e tênis, que corre em uma pista; ao fundo, uma estreita faixa de terra que divide a linha do horizonte com um céu carregado. Imagem: Pixabay.

smokebuddies logo2 Atletas profissionais que amam maconha estão sendo patrocinados pela cannabis

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!