Atletas olímpicos podem fumar maconha?

olimpiada 2016 maconha smoke buddies Atletas olímpicos podem fumar maconha?

A erva está na lista de substâncias proibidas aos atletas, mas isso não quer dizer que eles não possam fumar um baseadinho. Eles só não podem chapar na hora de competir em sua modalidade durante as olimpíadas. Entenda mais no texto do High Times, com tradução e adaptação do Smoke Buddies.

São quase duas décadas desde que o snowboarder canadense Ross Rebagliati se tornou o primeiro vencedor da medalha de ouro olímpica do esporte nos Jogos de Inverno de 1998 no Japão, vitória que quase não foi celebrada devido a um resultado positivo para maconha. Em 2009, Michael Phelps reconheceu como verídica uma foto dele utilizando um bong para fumar a erva em uma festa, o que lhe rendeu uma suspensão por três meses e um lucrativo patrocínio da marca Kellogg’s.

Mas agora que a maconha está legalizada em mais da metade dos Estados Unidos para fins medicinais e recreativos, sem mencionar os 21 estados onde ela já está descriminalizada, além dos diversos países que permitem seu uso, o que a política Olímpica diz sobre o consumo de maconha aos atletas de todo o mundo, que se reúnem no Rio esta semana para as Olimpíadas de 2016?

lazy placeholder Atletas olímpicos podem fumar maconha?

Felizmente, a atitude em relação ao uso da maconha na cena olímpica progrediu um pouco ao longo dos últimos anos. Embora a cannabis permaneça ainda na lista de substâncias proibidas, uma mudança das políticas feita em 2013 pela Agência Mundial Anti-Doping (AMA) elevou o limite autorizado de maconha para 150 nanogramas de THC por ml de urina. Isso significa que, enquanto um atleta olímpico não aparecer chapado durante os jogos ou um dirigente não for pego dando um dois, não haverá uma histeria sobre a maconha.

Em 2013, Ben Nichols, porta-voz da AMA, disse ao USA Today que a política atualizada sobre o consumo de maconha só foi destinada para desqualificar atletas que fumam constantemente antes ou durantes os jogos olímpicos. As regras não proíbem os atletas de utilizarem a cannabis ou seus derivados fora do evento.

“Nossos dados mostram que muitos casos não envolvem o consumo durante os dias de evento”, disse Nichols.

Antes dessa alteração nas regras, quatro atletas testaram positivo para THC antes dos jogos Olímpicos de Londres em 2012, quando a agência antidoping americana (USADA) apareceu com um teste de drogas para os atletas. Embora tenham apresentados resultados com uma porcentagem muito baixa, a agência foi responsável pela desqualificação da competidora americana Stephany Lee.

Curiosamente, a maconha só foi incluída a lista de substâncias proibidas por volta de 1999. Na verdade, em 1998, as autoridades olímpicas chegaram a tomar a medalha de ouro do snowboarder Ross Rebagliati por testar positivo para maconha, mas eles tiveram que devolvê-la pois notaram que até então a cannabis não era uma substância proibida.

E o COI se preocupa com a maconha?

Em uma entrevista de 2014 para o Aljazeera, Dr Richard Budgett, diretor médico do COI (Comitê Olímpico Internacional) citou três critérios para uma droga para ser incluída na lista de substâncias proibidas: melhorias no desempenho, fator de risco à saúde e se substância vai contra o espírito olímpico.

No entanto, a política atual sobre a maconha é o resultado de uma negociação acalorada entre os membros da comissão, que não consideram a maconha como uma droga que melhora o desempenho e aqueles que, como o presidente da comissão médica do COI, Arne Ljungqvist, acreditam que a erva pode sim ser um estimulante ajudando no desempenho.

Basicamente, as Olimpíadas lidam atualmente com a maconha de forma semelhante ao álcool. A lista de substância proibidas indica que o álcool é proibido “apenas no período de competições” em várias modalidades esportivas.

Acendendo ou não suas ‘Tochas Olímpicas’, os atletas possuem um motivo a mais para se preocupar, além do antidoping: a proibição! No Brasil, ainda é ilegal o porte de maconha para consumo pessoal, embora o debate tenha sido reaceso no ano passado, quando o Supremo Tribunal Federal não descriminalizou a tempo das Olimpíadas, mas deve retornar a pauta ainda neste semestre.

Rio vira Amsterdam

Milhares de pessoas de vários países distintos foram à Praça Mauá, na região portuária do Rio de Janeiro, zona central, para acompanhar de um telão a abertura dos Jogos Olímpicos 2016 nesta sexta-feira, 5 de agosto. Na Fan fest de abertura dos jogos um dos pontos alto do evento foi o uso acentuado de maconha, conforme informou a reportagem da ESPN.

Gringos e cariocas fumavam quase à vontade, mesmo diante de um forte policiamento, que parecia fazer vista grossa na maioria das vezes. “Parece Amsterdã”, brincou o colombiano Santiago, em passagem pelo Rio por causa das Olimpíadas.

Leia também:

Olimpíadas das Drogas e o Estado de Direito

lazy placeholder Atletas olímpicos podem fumar maconha?

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!