Agricultores lançam campanha de desobediência civil pela legalização do cânhamo no Reino Unido

plantas margarida Agricultores lançam campanha de desobediência civil pela legalização do cânhamo no Reino Unido

Os ativistas estão organizando um plantio em massa na cidade inglesa de Bristol, em protesto contra as rígidas leis que impedem a entrada dos agricultores no mercado do cânhamo

Um coletivo de agricultores no Reino Unido lançou uma campanha de desobediência civil que incentiva as pessoas a cultivarem cânhamo sem licença.

A campanha do Liberate Hemp visa superar o regime regulatório restritivo imposto pela lei britânica e liberar os benefícios do cânhamo “para o bem de toda a vida na Terra”.

O grupo de ativistas se reuniu recentemente em uma antiga fazenda de cânhamo conhecida como Hempen para organizar a campanha e angariar fundos. O evento também serviu como oficina de cultivo, onde os convidados aprenderam a semear suas próprias plantas de cânhamo.

No evento de semeadura, as pessoas também foram incitadas a colocar em prática o que aprenderam, cultivando cânhamo em suas casas, bem como a participar de um plantio de cânhamo em massa programado para ocorrer em Bristol, na Inglaterra, em 18 de junho.

O Liberate Hemp está incentivando as pessoas a cultivarem cânhamo abertamente em casa, e pedindo para que fixem placas em seus jardins e façam postagens nas mídias sociais explicando as motivações pessoais para a ação e pedindo a legalização do cultivo da planta.

Leia também: Ativistas pedem justiça social na reforma da cannabis no Reino Unido

A campanha para legalizar o cultivo de cânhamo visa aumentar a quantidade de culturas cultivadas por agricultores do Reino Unido para uso como alimentos, produtos de CBD e materiais de construção.

Um relatório da organização de defesa Volteface divulgado em dezembro estima que somente o mercado de cannabis medicinal do Reino Unido pode valer até £ 1,2 bilhão (R$ 8,9 bilhões), e gerar quase 60 mil empregos.

O plantio de cânhamo é ilegal no Reino Unido sob o Ato de Uso Indevido de Drogas de 1971. Entretanto os agricultores podem obter uma licença de cânhamo industrial limitada à produção de sementes e fibras, após um custoso e burocrático processo.

“O regime de licenciamento torna muito difícil cultivá-lo e produzi-lo aqui. Em vez disso, o governo parece querer que importemos de lugares com políticas de apoio ao cânhamo, como Suíça, França e China”, disse Zena Winterbottom, ex-diretora da Hempen, em um comunicado da campanha.

A Hempen é uma cooperativa de cânhamo localizada no distrito inglês de South Oxfordshire. Os trabalhadores produziam uma variedade de produtos derivados da planta até serem obrigados a destruir toda sua colheita em 2019, quando o governo britânico cancelou sua licença. Eles estimaram a perda em £ 2,4 milhões (R$ 14,3 milhões).

Leia mais: Ministro da Tailândia quer distribuir 1 milhão de plantas de maconha para a população

No ano passado, a Hempen fez um apelo público para que os produtores de cânhamo do Reino Unido se rebelassem contra as rígidas leis do Reino Unido.

Atualmente a cooperativa trabalha auxiliando agricultores de cânhamo orgânico no cultivo e desenvolvimento de sua colheita. A fazenda também foi homenageada como um santuário para refugiados no início deste ano por seu programa de assistência a imigrantes.

O coletivo alerta em sua campanha que no Reino Unido o cânhamo é regulamentado de forma tão rigorosa quanto as variedades de cannabis que possuem alto teor de THC. Os agricultores devem obter uma autorização da unidade de Drogas e Armas de Fogo do Ministério do Interior britânico para receberem uma licença de cânhamo.

O grupo também observa na campanha que a agricultura de cânhamo sequestra cinco vezes mais carbono do que a mesma área em árvores, reconstrói solos esgotados, além de ser uma alternativa mais sustentável ao algodão e polímeros e uma fonte vegetal de ômegas, proteínas e fibras.

“O cânhamo é muito importante para a saúde da nação, a saúde de nossas comunidades e a saúde de nosso planeta, para esperar que o governo explique por que criminalizou o cultivo”, defende Winterbottom. “Como movimento, podemos fazer coisas que as empresas não podem. Um processo contra um será considerado um processo contra todos e garantiremos que eles justifiquem isso dentro e fora do tribunal”.

Leia também:

Marrocos toma primeiras medidas para regular mercado da maconha

#PraTodosVerem: fotografia mostra duas plantas de cannabis em período vegetativo crescendo junto a margaridas, e um fundo de vegetação embaçado. Imagem: Pixabay / NickyPe.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!