As tendências de cannabis que marcaram 2019 – e o que virá em 2020

Foto Luiz Michelini As tendências de cannabis que marcaram 2019   e o que virá em 2020

Ao rastrear e analisar o mercado global de maconha ao longo do ano, uma empresa europeia especializada em dados do setor levantou as tendências que marcaram a indústria e traçou os destaques que influenciarão o mercado em 2020

Normalização é a principal tendência da maconha em 2020, segundo aponta a Prohibition Partners, empresa de levantamento de dados do setor, que identificou as grandes marcas da trajetória deste mercado no mundo, ao longo deste ano e fez projeções para o que virá no próximo.

Leia também: Liberação de cultivo da maconha pode colocar o Brasil como grande exportador

Em uma lista de cinco megatendências, a empresa destaca as principais características do mercado canábico global, sugerindo como elas vão se desdobrar no ano que vem. Confira:

1. A corrida verde

Comparada à corrida do ouro, a cannabis representa uma nova oportunidade comercial que provavelmente chegará a todos os cantos do globo. E não é apenas uma corrida para garantir a vantagem de quem está em primeiro lugar, mas também por escala, tamanho e eminência, como normalmente em qualquer setor — onde alguns grandes jogadores acabarão dominando. Isso não está sendo visto apenas pelas empresas que operam nesse espaço, mas também pelos governos, que agora reconhecem o potencial latente da maconha como medicamento e também como fonte de receita do Estado.

Para 2020: à medida que a indústria entra em seu primeiro período de instabilidade econômica global, em 2020 provavelmente diminuirá o apelo da indústria a investidores oportunistas e especulativos. As empresas olharão para dentro, concentrando-se em reforçar as operações e os lucros. As fusões permanecerão limitadas, mas os investidores mais experientes procurarão oportunidades em setores emergentes, como serviços auxiliares, tecnologia, biomedicina e marcas.

2. Ubiquidade do CBD

O CBD é um produto de consumo totalmente novo, que explodiu no mercado global de consumidores em várias categorias e setores. As notícias sobre os amplos benefícios do produto estão se espalhando rapidamente, e os consumidores parecem ser altamente receptivos ao consumo de várias formas. Principais players como Canopy Growth, Tilray e Cronos já investiram centenas de milhões em novos empreendimentos de CBD.

Para 2020: veremos cada vez mais indústrias incorporando o canabidiol em suas linhas de produtos. É provável que isso se espalhe para uma variedade maior de produtos alimentícios, e os operadores de alimentos, incluindo os veganos, provavelmente, serão os principais canais. O desempenho esportivo (incluindo bebidas esportivas) e os produtos de recuperação/lesão também serão uma categoria importante no desenvolvimento, que também prestará maior atenção ao CBD; no entanto, também podemos ver toda a categoria de bebidas esportivas mudar seu foco em favor da estimulação mental e dos nootrópicos (incluindo CBD), em vez de um simples esforço físico, uma vez que a perda de tempo e energia mentais continua a ser muito maior do que as demandas físicas da vida moderna. Os bens de consumo também seguirão a tendência, com o sono baseado no CBD, uma nova e emocionante avenida para toda uma série de desenvolvimento de produtos.

3. Zona cinzenta

Quando se trata de regular a maconha, cada país tem sua própria estrutura legal e dois países não têm o mesmo conjunto de leis. Além disso, a taxa de mudança é exclusiva para cada jurisdição. Inconsistência é, portanto, o nome do jogo, o que torna incrivelmente difícil negociar em uma base global e ainda mais difícil obter uma receita legal.

Para 2020: continuaremos a ver a zona cinzenta como uma característica essencial da indústria da cannabis em 2020, com a ameaça de mudanças sísmicas na regulamentação do CBD, nos EUA e na Europa, já iminente para o novo ano.

4. Conhecimento é poder

A cannabis parece ter um potencial significativo na medicina. No entanto, com uma história atolada pela proibição, a maconha ainda é amplamente vista como um “tratamento desonesto”, com uma grande seção de médicos, legisladores e consumidores permanecendo céticos. Assim, apesar da considerável adesão e demanda do consumidor, a “convenção” continua com cautela e exige provas antes de prosseguir.

Para 2020: a cannabis encontrará um lugar menos controverso e mais seguro na convenção médica, uma vez que existam dados confiáveis ​​​​para apoiar as alegações sobre seus benefícios médicos e, com tantos ensaios em andamento nos principais mercados emergentes, como Reino Unido, Dinamarca e França, a clareza chegará em 2020, desbloqueando o acesso aos pacientes nos sistemas de saúde estaduais.

5. Mercados Blueprint

Mais de 40 países legalizaram a cannabis medicinal, mas apenas alguns estados e regiões desenvolveram estruturas bem-sucedidas, com Canadá, Israel, Alemanha, Holanda, Tailândia e Austrália, na vanguarda. Apenas o Canadá, o Uruguai e vários estados dos EUA legalizaram a maconha para adultos. No entanto, o mundo está assistindo e aprendendo e vai escolher o que funciona e o que não funciona nesses mercados de adotantes iniciais.

TENDÊNCIAS PARA 2020

1. Normalização

A opinião pública sobre a maconha está mudando, com os consumidores em países do G7, agora, favorecendo a legalização da maconha medicinal. Além disso, legisladores e lobistas com visão de futuro estão começando a considerar os méritos da legalização total, com os níveis de oposição diminuindo rapidamente. Com um apoio tão forte à cannabis em certos países-chave, uma maior legalização parece uma questão de quando e não de se.

Os produtos de cannabis na forma de CBD estão disponíveis no Wal-Mart, Tesco e até na B&M e são usados por muitos idosos. Embora a questão da cannabis recreativa continue a dividir a opinião, quando se trata de produtos de consumo que não são projetados para inebriar, as barreiras já estão diminuindo. A opinião pública está forçando os legisladores a acompanhar a onda de atitudes dos consumidores que consideram a maconha como apenas mais um produto de consumo que deve ser aberto ao mercado.

2. Cortando a burocracia

Ao longo de 2020, os legisladores e reformadores apresentarão alterações destinadas a diminuir as barreiras de acesso, a fim de fornecer medicamentos à base de cannabis aos pacientes. Está se tornando amplamente reconhecido que a estrutura atual em muitos mercados “legais”, como Irlanda, Reino Unido e França, é muito limitada. Com muita frequência, a legislação é forçada a satisfazer protestos públicos ou escândalos da mídia sem um plano de longo prazo. Como resultado, a educação e a reforma continuarão a desempenhar um grande papel ao longo de 2020.

Veremos ajustes importantes na legislação que realmente facilita o acesso e um sistema funcional para as pessoas para as quais foi projetado para beneficiar. As principais reformas a serem observadas incluem a aprovação da Autoridade Reguladora de Produtos de Saúde da África do Sul (SAHPRA) de uma gama mais ampla de produtos, de acordo com as novas leis; o reescalonamento da cannabis da OMS/ONU; a Lei MORE; a Lei SAFE (EUA); outras alterações do NICE no Reino Unido e no referendo da Nova Zelândia.

3. Estourando a Bolha

As indústrias rapidamente emergentes experimentam bolhas. Como o boom das pontocom e o crash da criptografia, os estoques de cannabis sofreram um rápido declínio nos últimos 12 meses, caindo 70% em valor com grandes demissões e decepcionantes ganhos trimestrais, tornando-se um recurso consistente em 2019.

Para 2020, os grandes produtores de cannabis diminuirão sua taxa de aquisições globais e, em vez disso, aumentarão seu estoque doméstico. Muitos dos participantes menores se esquivarão do peso dos altos custos iniciais, bem como do aperto no preço que ocorre após uma maior oferta. Até que as avaliações da empresa sejam mais realistas, é provável que os negócios fracassem, e as perdas de empregos continuarão até que surja um setor mais racionalizado que possa suportar os tremores que se acumulam no cenário econômico global.

4. A repressão

Após a decisão da Alemanha de manter os novos Regulamentos de Alimentos da UE e o anúncio da FDA de que o CBD é potencialmente prejudicial, estamos começando a ver sinais de uma repressão na regulamentação que aparece no horizonte. Isso pode ter consequências maciças no mercado consumidor, onde o produto agora está muito bem estabelecido.

2020 também revelará se esses anúncios são simplesmente uma exibição estratégica de ameaças ou se existe um apetite genuíno entre os reguladores para finalmente pôr fim à ‘zona cinza’ do CBD.

5. Contagem de Carbono

Com a saúde do planeta agora elevada ao status de emergência, o assunto ambientalismo e sustentabilidade na cannabis será uma fonte central de discussão e inovação em relação à cannabis. O cânhamo mais do que se sustenta nessa arena, necessitando de baixos insumos agrícolas, como água e pesticidas, ao mesmo tempo em que fornece matéria-prima útil para têxteis, construção e alimentos. Outros usos estão no horizonte, os quais poderão ver o cânhamo no centro de soluções climáticas agrícolas, como o cânhamo para captura de carbono, biocombustível, materiais de construção e substitutos do concreto. Os métodos de cultivo de cannabis estão muito atrasados, com muitas fazendas de interior que exigem enormes quantidades de água e eletricidade.

Veremos, ano que vem, os cultivadores de cannabis adotando práticas mais renováveis ​​e utilizando métodos de cultivo menos intensivos, como iluminação LED e cannabis cultivada no exterior, favorecendo regiões em crescimento com o clima certo para ciclos de crescimento rápidos e eficientes em termos de água. Em termos de processamento, veremos métodos de extração mais ecológicos, em particular os que não possuem solventes, incluindo aqueles que utilizam ondas sônicas e ultrassônicas. A redução e a reciclagem de resíduos de cultivo serão críticas para reduzir a pegada de carbono da indústria, assim como as soluções inovadoras de embalagens, particularmente em produtos comestíveis, que atendem à regulamentação e às demandas de sustentabilidade.

PARA CONCLUIR

2019 foi realmente um ano de duas metades; o momento que foi acionado no ano anterior deu forma ao primeiro semestre, mas, no segundo semestre, a realidade ficou aquém do otimismo do mercado e bilhões de dólares foram apagados do valor das ações de cannabis.

Entrando em 2020, a indústria da cannabis continua com cautela, definida pela redução de custos, melhoria de rendimentos e foco nas operações que geram oportunidades imediatas de receita. A eficiência será o santo graal em 2020. O setor aprendeu que a promessa de legalização e a entrega de um mercado comercial em funcionamento são mutuamente exclusivas. A sobrevivência de hoje substituirá a garantia de domínio no futuro. No entanto, ainda há muito a ser feito e aprendido e, com uma regulamentação e conformidade mais rigorosas aparecendo no horizonte em 2020, este será um ano em que uma indústria de cannabis legal mais rigorosamente regulamentada precisará encontrar uma maneira de se defender contra a presença predominante no mercado ilegal.

2020 também trará uma maior compreensão e aceitação da cannabis como medicamento e produto recreativo; a descoberta científica e a mudança social continuarão avançando ainda mais na narrativa da maconha, com o cenário dos consumidores evoluindo para favorecer a cannabis como produto de consumo.

Leia também:

As dez maiores vitórias da maconha em 2019 nos EUA

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em plano fechado que mostra um cultivo de planta de cannabis, com pistilos de cor clara concentrados onde será desenvolvida a flor. Imagem: Luiz Michelini.

lazy placeholder As tendências de cannabis que marcaram 2019   e o que virá em 2020

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!