Conheça as mulheres que estão revolucionando o bem-estar com CBD nos EUA

junella chin aliza sherman Conheça as mulheres que estão revolucionando o bem estar com CBD nos EUA

O esclarecimento sobre a origem do CBD e os benefícios terapêuticos da cannabis são o norte do trabalho de Junella Chin e Aliza Sherman. Saiba mais sobre as mulheres que estão revolucionando o bem-estar nos EUA na reportagem de Elise McDonough para o Leafly, com tradução pela Smoke Buddies

Em uma recente noite de sexta-feira em uma casa particular perto de Walnut Creek, Califórnia (EUA), várias mulheres profissionais de meia-idade se reuniram para aprender sobre a cannabis.

Bebendo LaCroix e mordiscando queijo e uvas, elas ficaram animadas em conhecer a Dra. Junella Chin e Aliza Sherman, autoras do novo livro Cannabis & CBD for Health and Wellness: An Essential Guide for Using Nature’s Medicine to Relieve Stress, Anxiety, Chronic Pain, Inflammation, and More [Cannabis & CBD para Saúde e Bem-estar: Um guia essencial para o uso da medicina natural para aliviar o estresse, ansiedade, dor crônica, inflamação e muito mais].

Como na maior parte dos EUA, as pessoas ouviram tudo sobre CBD, mas não sabiam quase nada sobre isso. Essa é uma lacuna de aprendizado que Chin e Sherman esperam fechar.

Cannabis & CBD, publicado no início do mês de junho, detalha a história, botânica, ciência, compostos químicos, estudos de caso e usos práticos da cannabis. O livro é uma cartilha abrangente e bem projetada, perfeita para iniciantes — e preencherá as lacunas de conhecimento para pacientes e consumidores mais experientes.

Seja como substituto do vinho, substituto do medicamento anti-ansiedade, para aliviar os sintomas da menopausa ou para ajudar no sono, existem inúmeras razões para as mulheres procurarem a cannabis.

Mas a barreira do conhecimento para entrar no mercado permanece grande. Isso representou uma oportunidade para educadoras e profissionais de saúde como Sherman e Chin.

Aliza Sherman é a CEO da Ellementa, uma rede de bem-estar para mulheres que oferece recursos on-line e conecta mulheres em cidades de todo o país em reuniões como a de Walnut Creek, para aprender sobre cannabis com palestrantes especializados e se conectar com marcas confiáveis. Junella Chin é especialista em medicina manipulativa osteopática e atualmente está tratando pacientes na cidade de Nova York como uma médica integradora de cannabis.

Leia: Ativista Susan Soares prepara versão portuguesa de livro infantil sobre cannabis

Antes do evento em Walnut Creek, sentei-me com Sherman e Chin para uma conversa abrangente sobre o novo livro e suas experiências com a cannabis. Nossa conversa foi editada para melhor extensão e clareza.

Leafly: Como vocês se conheceram?

As duas mulheres riem.

Junella Chin (JC): Acabamos de nos conhecer!

Aliza Sherman (AS): Nós não nos conhecíamos até a semana passada. Nós escrevemos o livro e não nos conhecíamos pessoalmente até a semana passada, quando começamos nossa turnê juntas.

Leafly: Oh uau!

AS: Conheci June na Ellementa da cidade de Nova York. Ela foi convidada para falar lá pelo líder local em Nova York, e tudo correu muito bem. Eu a li e dei uma olhada online. Vi muitas informações excelentes e confiáveis. Eu queria uma coautora, de preferência uma médica e mulher, e ela se encaixava. Convidei-a para escrever o livro comigo e ela disse que sim.

Leafly: Como a cannabis entrou na sua vida?

AS: Muitas pessoas nesta indústria tiveram algum tipo de despertar físico, mental ou até espiritual porque aceitaram o fato de que esta planta pode ser útil.

Eu fui resistente a isso por muitos anos. Eu me envolvi no ensino médio e na faculdade, mas não era algo que eu pensava que deveria ter na minha vida por causa do estigma. Eu pensei que era perigoso e ilegal e iria arruinar meu cérebro.

Foi só no início dos cinquenta anos que sofri e comecei a perceber que era remédio… Comecei a pesquisar e pensei: ‘Uau, talvez eu possa usar isso para minha insônia e dor crônica no pescoço’. Eu tentei e funcionou.

Fiquei realmente empolgada com a descoberta e me perguntei por que mais pessoas não sabem disso. Como escritora, comunicadora, palestrante e professora, eu queria ensinar as mulheres sobre isso.

Uma doença espinhal desafiadora

Leafly (para Chin): E sua jornada pessoal com cannabis?

JC: Eu me tornei uma paciente antes de me formar na faculdade de medicina. Quando adolescente, fui diagnosticada com uma doença espinhal debilitante e isso levou a anos de dor crônica.

Passei por todas as terapias convencionais: medicamentos, peridurais, fisioterapia, massagem, acupuntura, rolfing. Quando cheguei à faculdade de medicina, descobri que a única coisa que funcionava era remédio e cinta para as costas — que durava pouco, mas isso me levava a pedaços de tempo sem dor.

Comecei a fazer plantões no hospital, trabalhando 80 horas por semana. Eu tive um tempo muito difícil permanecendo em pé. Um dos meus médicos assistentes notou e ele me perguntou o que estava acontecendo. Ele disse: “Você não poderá terminar a faculdade de medicina assim, para ser sincero com você. Você tem um longo caminho a percorrer”.

Primeiros passos para a Faculdade de Medicina

Expliquei que tinha espondilite anquilosante (EA). Ele sabia disso e sabia que não havia cura. Tudo o que você pode fazer é encontrar um alívio sintomático. O Dr. Levine era médico de HIV/AIDS, e foi ele quem me ofereceu maconha na forma de uma tintura. Ele disse: “É isso que meus pacientes de HIV e AIDS usam. Realmente os ajuda com dor e não os faz sentirem-se alterados”. Ele não o chamava de óleo de CBD na época. Ele apenas disse que era um tipo diferente de planta de cannabis.

Eu cresci no Bronx. Eu estava no pré-médico, estava de olho no prêmio, então não experimentei cannabis. Eu tinha uma opinião sobre isso – era para bandidos e abandono do ensino médio. Eu cresci em uma família chinesa estrita e fui ensinada que isso causava psicose. Mas eu tinha que tentar – ou abandonar a faculdade de medicina. Então, eu tentei durante um fim de semana. Na segunda-feira eu sabia que estava funcionandoPara minha surpresa, algo estava mudando. Eu era capaz de levantar e lavar a louça. Eu poderia sentar por mais de meia hora para estudar.

Eu estava no lugar certo, na hora certa. Eu fui para a faculdade de medicina na Califórnia logo depois de legalizada aqui [em 1996], para que eu pudesse aprender tudo o que podia sobre essa planta e sobre a medicina convencional. Foi o melhor dos dois mundos. Decidi dedicar minha carreira a ajudar os pacientes a integrar cannabis medicinal com segurança.

Todo mundo está falando sobre CBD

Leafly: É interessante que o título do livro seja Cannabis & CBD. Como você se sente sobre a tendência do CBD e sua promoção para pessoas que podem não saber o que é?

AS: Existem prós e contras. Os prós são que, quando todo mundo está falando sobre isso, é normalizado.

Mesmo que esteja na moda, está fora do ar. As pessoas não entendem que o CBD é cannabis e vem da planta da cannabis. É uma variação, mas ainda é cannabis. Mesmo os legisladores, eles não têm ideia.

A desvantagem é que todos estão ouvindo e pensando que será uma cura milagrosa para eles. Eles acham que algo é melhor ou mais saudável porque contém CBD. Mas eles realmente não têm ideia do que está nele — se foi limpo, se pesticidas e metais pesados ​​foram removidos. Eles podem estar absorvendo toxinas e não têm ideia.

JC: Outros profissionais de saúde não percebem que o CBD é cannabis e se sentem melhor ao dizer que você pode prescrever o óleo de CBD. Então é semântica. Meus pacientes mais velhos, com 65 anos ou mais, sempre entram e dizem: “Não quero maconha, quero CBD”.

Por isso, batizamos o livro de Cannabis & CBD. Conversamos com a editora e passamos por diferentes títulos, e eles disseram: ‘Cannabis e CBD são tão separados em nossa cultura que seria um bom título e então você pode se aprofundar nisso’.

Leafly: Existem efeitos colaterais negativos no uso de CBD que não são discutidos?

JC: Absolutamente. Não é uma bala de prata. Pode ser contraindicado com certos medicamentos. Pode mudar a maneira como os medicamentos prescritos e os suplementos naturais funcionam. Se você tomar muito CBD, pode causar náusea ou diarreia. Há um subconjunto de pacientes que não conseguem tolerar a planta da cannabis, ficam muito doentes ou deprimidos, têm problemas para dormir e ficam ansiosos, e isso é algo que precisa ser discutido. Não é uma cura para tudo.

Leia: Estudo revela strains de maconha mais utilizadas pelas mulheres para fins médicos, nos EUA

Abrindo a cultura médica

Leafly: Por que você acha que mais médicos não estão se educando sobre o sistema endocanabinoide ou a cannabis em geral?

JC: Nós não aprendemos sobre isso na faculdade ou na residência médica.

Estou apenas começando a fazer grandes rodadas, ensinando aos farmacêuticos. Acabei de fazer um simpósio em uma escola de medicina em Nova York e, depois disso, recebi muitas ligações de estudantes de medicina que queriam me acompanhar no escritório, então está começando. Mas ainda não podemos prescrevê-lo — só podemos recomendá-lo — e há um risco com ele, ainda não é regulamentado pelo governo federal. Não está coberto pelo meu seguro de negligência médica, e se eu tiver uma afiliação com um hospital, eles serão muito claros que não o cobrirão se você recomendar CBD e algo der errado.

Os médicos como um todo são muito conservadores. Seguimos um caminho linear. Trata-se de medicina botânica com uma janela terapêutica mais ampla que remédios farmacêuticos, e não é disso que trata os cuidados de saúde convencionais.

Leafly: Para melhor ou para pior.

AS: Exatamente. Definitivamente, há algo a ser dito sobre os benefícios da regulamentação — incluindo testes obrigatórios. Muitos produtos de CBD não são testados.

Não cabe a nós promover uma opinião sobre quais produtos são melhores. Não dizemos que “os isolados são terríveis e o full-spectrum — toda a planta — é melhor”. Explicamos que há um lugar para cada um. Os isolados são mais limitados em sua capacidade; o CBD full-spectrum tem um potencial mais amplo de ser benéfico para muitas outras coisas. Deixamos o consumidor decidir.

 O que vem a seguir

Leafly: Nos próximos cinco a dez anos, qual você acha que é o potencial da cannabis de mudar a medicina como a conhecemos?

JC: Eu acho que haverá mais pesquisas sobre a versão biossintética da cannabis. Se a levedura geneticamente modificada criar canabinoides, e os tornar um isolado com consistência molecular, a indústria farmacêutica a adotará e os profissionais de saúde também. Por fim, acho que é para onde vai: em direção ao desenvolvimento de canabinoides com base farmacêutica.

AS: Para melhor ou para pior. Há uma beleza e harmonia na medicina da natureza. Mas a variabilidade assusta e confunde as pessoas. Estamos tentando chegar às pessoas que acham isso muito complicado e simplificá-lo para que elas possam abraçar algo mais natural. Porque, uma vez que é um produto farmacêutico, é muito diferente do que a natureza pretendia.

JC: Eu acho que há um lugar para ambos. Com a medicina de plantas, quando você separa as moléculas da planta, não obtém os benefícios do sinergismo de todo o composto da planta.

Leia também:

Mulheres da maconha estão dominando a indústria canábica na Filadélfia (EUA)

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em primeiro plano e vista diagonal de Junella Chin e Aliza Sherman, sorridentes, estando a primeira com cabelos pretos amarrados e a segunda com os cabelos soltos grisalhos, ambas usando óculos e olhando para a câmera; o registro foi feito quando Aliza autografava um livro, podendo-se ver, ao fundo, um banner com a capa do mesmo. Foto: divulgação.

lazy placeholder Conheça as mulheres que estão revolucionando o bem estar com CBD nos EUA

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!