Agricultores de cânhamo dos EUA sofrem para receber alívio de pandemia

cultivo maos vegetativo Agricultores de cânhamo dos EUA sofrem para receber alívio de pandemia

Defensores do setor expressam decepção com a postura do Departamento de Agricultura, argumentando que, como qualquer outro, o mercado de cânhamo enfrenta desafios únicos em meio à pandemia. Com informações do Marijuana Moment e tradução Smoke Buddies

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) anunciou na terça-feira que os cultivadores de cânhamo são especificamente inelegíveis para um programa de alívio de coronavírus em execução. Mas, horas depois do Marijuana Moment relatar que o departamento também destacou o cânhamo como sendo especificamente inelegível para qualquer reavaliação, o governo removeu esse texto do aviso inicial.

A razão declarada para a exclusão da safra é por que se constatou que os preços do cânhamo não sofreram uma queda de cinco por cento ou mais entre janeiro e abril. Originalmente, o USDA tomou a notável decisão de excluir o cânhamo como uma das duas únicas mercadorias que não receberiam uma reavaliação da elegibilidade, mesmo que surgissem “evidências confiáveis” de que o mercado da colheita experimentou tais quedas. A outra era o tabaco.

lazy placeholder Agricultores de cânhamo dos EUA sofrem para receber alívio de pandemia

A lista de produtos inelegíveis inclui “ovelhas com mais de dois anos de idade, ovos , trigo de inverno vermelho macio, trigo de inverno vermelho duro, trigo branco, arroz, linho, centeio, amendoim, cevada para ração, algodão ELS, alfafa, forrageiras, cânhamo e tabaco”, informou o departamento sobre o Programa de Assistência Alimentar de Coronavírus (CFAP).

Inicialmente, o USDA incluiu esta linha no aviso: “No entanto, para todas as mercadorias, exceto cânhamo e tabaco, o USDA poderá reconsiderar as mercadorias excluídas se forem fornecidas evidências confiáveis ​​que apoiem ​​uma queda de preço de cinco por cento”.

Agora a linha foi revisada para declarar: “O USDA pode reconsiderar as mercadorias excluídas se forem fornecidas evidências confiáveis ​​que apoiem uma queda de cinco por cento dos preços”.

O CFAP é um programa de alívio imediato de US$ 19 bilhões que “inclui apoio direto aos produtores agrícolas”. Foi estabelecido como parte do primeiro pacote de COVID-19 aprovado pelo Congresso.

Os defensores da indústria do cânhamo expressaram decepção com a ação do USDA, argumentando que, como qualquer outra indústria, o mercado de cânhamo está enfrentando desafios únicos em meio à pandemia e não deve ser descartado deste programa.

Leia mais: Estados americanos estão divididos sobre as regras federais de cânhamo para 2020

Jonathan Miller, consultor geral da Mesa Redonda de Cânhamo dos EUA, disse ao Marijuana Moment em uma entrevista por telefone na terça-feira, antes do departamento voltar atrás com a exclusão de revelação, que o grupo “antecipou o desafio de demonstrar a queda de cinco por cento dos preços, mas estávamos esperançosos que teríamos a oportunidade de demonstrar que isso ocorreu”.

“O desafio que temos é que não somos uma indústria madura no momento. Não temos dados maduros e sofisticados sobre preços, como milho ou soja”, disse ele. “Pensamos que poderíamos montar um caso, dadas as dificuldades reais que os agricultores de cânhamo enfrentaram nos últimos meses”.

Ele disse ao Marijuana Moment na quarta-feira, depois que a revisão do aviso do USDA foi feita, que o grupo está “satisfeito com o fato de o USDA ter removido a provisão” relacionada a reavaliações.

Miller enfatizou que o setor não está procurando um apoio especial e está simplesmente pedindo tratamento equitativo durante a pandemia.

“O maior desafio é que, entrando na COVID, a indústria do cânhamo havia sido realmente seriamente perturbada. Nos últimos seis, sete, oito meses, vimos um declínio acentuado nos preços do cânhamo”, acrescentou, observando que grande parte do problema é a falta de regulamentos da Food and Drug Administration que permitam que o CBD derivado do cânhamo seja comercializado como um suplemento dietético ou aditivo alimentar.

“Como resultado, o mercado de varejo de produtos de cânhamo — dos quais o CBD representa cerca de 80% ou mais — encolheu enquanto a oferta de cânhamo aumentou, levando a uma dramática queda nos preços. Esse era o estado da situação antes da COVID”, disse ele. “Agora a COVID atingiu e, embora seja difícil para uma nova indústria medir o impacto econômico específico — já que não temos dados de preços em tempo real como o milho e a soja —, sabemos que o mesmo tipo de interrupção que os agricultores estão tendo para outras culturas, seja transporte ou mão de obra, estão acontecendo com o cânhamo”.

Esse desenvolvimento do USDA parece incomum, uma vez que o departamento aparentemente fez um esforço significativo para demonstrar que apoia o setor de cânhamo e está trabalhando ativamente para garantir que o mercado tenha os recursos necessários para expandir desde a legalização federal da safra em 2018.

Mesmo em meio à crise da saúde, o USDA vem aprovando sistematicamente os planos estaduais e tribais de cânhamo de maneira contínua e, ao mesmo tempo, pressionando para normalizar a indústria — fornecendo às empresas de cânhamo acesso a seguros federais de cultivo, por exemplo. Também divulgou recentemente orientações sobre o processamento de empréstimos federais para a indústria do cânhamo.

Leia também:

Agricultores de cânhamo do Arkansas (EUA) têm prejuízo com safra de 2019

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em vista superior de um pé de maconha em período vegetativo sendo tocado por duas mãos que vêm da parte de cima da foto; preenchendo toda a imagem, pode-se ver diversas outras plantas de cannabis. Foto: Pedro Fabián Gutiérrez Vidrio | Flickr.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!