A proibição do Reino Unido de analgésicos à base de cannabis é absurda e desumana

cultivo indoor funcionario A proibição do Reino Unido de analgésicos à base de cannabis é absurda e desumana

Políticos com medo da grande indústria farmacêutica e do tabu em torno da cannabis estão bloqueando o acesso a medicamentos vitais, no Reino Unido. Saiba mais sobre o tema no artigo de Simon Jenkins para o The Guardian, e tradução pela Smoke Buddies

Que o governo vai permitir que alguns que sofrem de epilepsia grave e esclerose múltipla obtenham medicamento com canabidiol para aliviar seus sintomas é uma boa notícia. Isso é tudo o que pode ser dito. Mais uma vez, surge uma decisão das cavernas do NHS (Serviço Nacional de Saúde) da Grã-Bretanha, que revela os males de um serviço de saúde politizado, centralizado e amortecido.

Dessa forma, qualquer medicamento à base de cannabis que contenha THC ativo como analgésico – assim como a maconha medicinal para milhões de pessoas em todo o mundo – será proibido. A cannabis medicinal pode estar disponível em todo o mundo livre. Pode estar disponível na América de Donald Trump – onde o presidente “apoia 100% a cannabis medicinal”. Os pacientes britânicos podem atravessar o Canal e (ilegalmente) importá-la. No país, ela pode ser comprada em quase todas as esquinas, para ser consumida por 1,4 milhão de britânicos com dor. Mas os políticos britânicos adoram brincar de médico. O secretário de saúde, Matt Hancock, tem uma eleição geral pela qual lutar. A dor deve esperar. Ele está nas garras de um tabu da cannabis – e da big pharma.

lazy placeholder A proibição do Reino Unido de analgésicos à base de cannabis é absurda e desumana

Leia: Reino Unido pode recrutar ex-traficantes se a maconha for legalizada

Todo pai amoroso de uma criança epiléptica sabe o que alivia a dor. A ideia de que apenas um médico com um medicamento prescrito, clinicamente testado por um regulador estadual, pode ponderar a dor é obscena. Quantas histórias comoventes são necessárias para que Whitehall perceba? É o que acontece quando os médicos respondem a políticos que respondem a empresas farmacêuticas com interesses em produtos existentes.

Quando, no ano passado, o então secretário do Interior (nota, não o secretário da saúde), Sajid Javid, emitiu licenças para medicamentos à base de cannabis para crianças em dois casos altamente divulgados, parecia que estavam sendo feitos progressos. Mas acabou sendo simplesmente um gesto para agarrar manchetes. Classificações prontamente fechadas.

Daí a iniciativa bem-vinda, embora desesperada, na semana passada do DrugScience, liderada pelo neuropsicofarmacologista David Nutt, de elaborar uma pesquisa pesada com 20.000 pacientes de cannabis medicinal. Destina-se a condições que se mostram suscetíveis ao medicamento, não apenas epilepsia e esclerose múltipla, mas também dor crônica, ansiedade, Tourette e estresse pós-traumático. Como diz Nutt, é simplesmente errado que pacientes doentes na Grã-Bretanha sejam “deixados sem tratamento, em dívidas significativas com o custo de receitas privadas, ou criminalizados, pois são forçados a recorrer ao mercado clandestino“.

Mas a maldição final é o controle central sobre o experimento local. O avanço nos EUA ocorreu quando o governo federal foi informado de que não poderia interferir no direito de um estado de decidir. Então, nesta questão da cannabis, por que não libertar a Escócia – libertar para convidar a Grã-Bretanha ao século 21?

Leia também:

Empresas britânicas fecham acordo milionário em aposta no crescimento da cannabis

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em vista superior que mostra um grande cultivo indoor de maconha,  com plantas verdinhas em período vegetativo, e um corredor, ao centro, de piso branco, onde está sentado um homem, vestido com uniforme azul, que manuseia as plantas. Foto: Gerald Herbert | AP.

Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!