A enfermagem canábica nos EUA

frasco mao jaleco azul A enfermagem canábica nos EUA

A cannabis assume um papel cada vez mais proeminente na medicina clínica, sendo cada vez maior a necessidade de enfermeiros que sejam bem versados nas aplicações médicas da planta. As informações são da Health Europa

Eloise Theisen é presidente da American Cannabis Nurses Association (ACNA), uma organização em todos os EUA que visa ampliar a educação de enfermeiros sobre a terapêutica endocanabinoide. Como a cannabis e seus derivados assumem um papel cada vez mais proeminente na medicina clínica, é cada vez maior a necessidade de enfermeiros que sejam bem versados nas aplicações médicas da cannabis e nas implicações éticas e políticas circundantes.

Theisen falou com a MCN sobre pesquisa, regulamentação e os desafios únicos da enfermagem canábica nos EUA.

lazy placeholder A enfermagem canábica nos EUA

Quais são os objetivos e o espírito da American Cannabis Nurses Association?

A missão da ACNA é promover a excelência na prática de enfermagem com cannabis por meio de defesa, colaboração, educação, pesquisa e desenvolvimento de políticas. Nossos objetivos de curto prazo são fornecer recursos educacionais para os membros que lhes permitam aumentar seu conhecimento sobre a cannabis e obter recursos vitais. A longo prazo, o objetivo é obter a certificação para enfermagem canábica e permitir que ela seja reconhecida como uma especialidade de enfermagem.

O que é a enfermagem canábica? Existe um processo definido para se tornar um enfermeiro de cannabis?

Atualmente, não existe um processo definido para se tornar um enfermeiro de cannabis. Enquanto a ACNA está trabalhando nisso, levará anos antes de alcançarmos a certificação. A enfermagem com cannabis tem mais barreiras de entrada do que em outras profissões de enfermagem. Atualmente, com o status da cannabis no Anexo 1 nos Estados Unidos, a pesquisa é limitada. Para estabelecer a cannabis como uma especialidade da enfermagem, devemos confiar em pesquisas baseadas em evidências, que estão faltando. É um ‘catch-22’ (situação sem saída). Sabemos que nossos pacientes a estão usando e obtendo alívio dos sintomas, mas não podemos estudar a planta para determinar protocolos de dosagem, perfis de canabinoides, interações medicamentosas e diferentes estados de doença.

Leia mais: Educação médica é estratégia para a popularização da cannabis no Brasil

A enfermagem canábica ainda está em processo de definição. A ACNA tem escopo e padrões, que são descritos em um documento dinâmico. À medida que mais enfermeiros entram no setor, reconhecemos que há muitas funções que os enfermeiros podem desempenhar. Atualmente, vemos enfermeiros na indústria da cannabis oferecendo educação a pacientes, empresas de cannabis, provedores de saúde e políticos. Muitos enfermeiros começaram suas próprias empresas de cannabis e continuam sendo líderes na indústria. No momento, o setor ainda é jovem o suficiente para que você possa encontrar um nicho e criar um negócio com base nesse nicho.

Que desafios os enfermeiros que usam cannabis enfrentam em seu trabalho?

Existem muitos desafios únicos na enfermagem com cannabis. O fato de continuar sendo uma droga do Anexo 1 nos Estados Unidos dificulta a condução dos negócios; os bancos veem a palavra cannabis e se recusam a trabalhar com você. A ACNA é uma empresa sem fins lucrativos que coleta taxas de adesão e temos contas bancárias negadas e até fechadas. É improvável que os proprietários aluguem espaços para alguém na indústria da cannabis, mesmo para aqueles que dirigem empresas médicas ou educacionais legítimas.

Além disso, existe o estigma contínuo associado à cannabis. Os usuários de cannabis ainda são retratados como preguiçosos, estúpidos e desmotivados. Essas percepções podem impedir que outros profissionais de saúde levem a sério as ciências canabinoides.

O cenário legislativo nos EUA, onde a cannabis é ilegal sob a lei federal, mas total ou parcialmente legal em um número crescente de estados, complica o uso de cannabis para fins medicinais?

Isso torna o acesso seguro um desafio. Com 33 estados e o Distrito de Columbia permitindo o uso médico, temos mais estados que concordam que a cannabis é um medicamento do que aqueles que não o fazem; no entanto, cada estado determinou sua própria lista de condições de qualificação. Em alguns estados, você pode se qualificar para a cannabis medicinal se tiver TEPT e, em outros estados, não é uma condição de qualificação. A falta de uniformidade pode levar alguns pacientes a usar o mercado ilícito ou a considerar uma mudança para obter cannabis legal com segurança.

Leia mais: Universidade lança programa de ciência da cannabis em Maryland (EUA)

Uma abordagem regulatória mais padronizada ajudaria os pacientes e a equipe clínica?

Essa é difícil. Acredito que muitos enfermeiros são formados em um modelo que se concentra na regulação e padronização. Existem prós e contras nessa abordagem. Por um lado, temos um mercado não regulamentado de cânhamo e CBD que deve levar a preocupações com a segurança do consumidor; e nos mercados regulados de cannabis, os impostos aumentaram o custo do medicamento à base de cannabis, o que empurrou muitos de volta para o mercado ilícito. A padronização também é um saco misto. A maioria dos pacientes se beneficia de um plano de tratamento de cannabis individualizado: se padronizarmos as preparações de cannabis, ele se torna menos personalizado e, no entanto, mais previsível. Acho que muitos de nós na indústria esperamos evitar trazer uma abordagem farmacêutica para a cannabis. Temos aqui a oportunidade de trazer uma abordagem totalmente nova que permite um atendimento individualizado.

Deve uma educação abrangente sobre a cannabis medicinal e o sistema endocanabinoide ser mais amplamente disponibilizada para os enfermeiros?

Absolutamente! Com a descoberta do sistema endocanabinoide, conhecemos o sistema regulatório mais importante do nosso organismo. Este sistema precisa ser educação obrigatória para profissionais de saúde. Infelizmente, ainda não é ensinado na maioria das escolas nos Estados Unidos. Estamos começando a ver uma mudança: algumas escolas estão adicionando a educação sobre a cannabis em seus currículos, e o Conselho Nacional de Conselhos Estaduais de Enfermagem emitiu diretrizes sobre como cuidar de um paciente que está usando cannabis medicinal. Os pacientes continuam buscando alternativas aos seus tratamentos tradicionais e sabemos que estão usando cannabis. Quanto mais educados e informados forem os enfermeiros, mais podemos educar e orientar os pacientes para opções seguras e efetivas de cannabis.

Leia também:

Quem são os médicos prescritores de cannabis no Brasil?

#PraCegoVer: em destaque, foto que mostra uma mão na horizontal sustentando um frasco azul com um rótulo branco que traz o desenho da folha e parte de um jaleco azul e um estetoscópio, ao fundo. Imagem: Tumblr.

lazy placeholder A enfermagem canábica nos EUA

Sobre Smoke Buddies

A Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. https://www.smokebuddies.com.br
Deixe seu comentário
Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!