Universidade gaúcha deve realizar primeira pesquisa com CBD no Rio Grande do Sul

canabidiol nao causa dependencia declara oms Universidade gaúcha deve realizar primeira pesquisa com CBD no Rio Grande do Sul

A maconha medicinal avança mais um passo no Brasil. Em Porto Alegre, RS, a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) anunciou que pretende iniciar o primeiro estudo gaúcho sobre o uso de CBD em pacientes portadores da doença de Parkinson. As informações são do G1.

Uma pesquisa que começa a ser desenvolvida no Rio Grande do Sul vai avaliar o uso de canabidiol, substância encontrada na maconha, no tratamento de pacientes com parkinson. O anúncio foi feito durante evento sobre o tema realizado na noite de segunda-feira (19) na Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) em Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

O canabidiol (CBD), diferente do tetraidrocanabinol (THC), princípio ativo da erva, não é psicoativo, não provoca sedação e não causa dependência. A venda do medicamento com prescrição médica foi regulamentada pelo governo federal, mas o preço e a burocracia ainda são barreiras.

Durante o encontro foi anunciado que a universidade está próxima de iniciar a primeira pesquisa gaúcha sobre o uso de canabidiol em pacientes que sofrem de parkinson.

O projeto do professor de neurologia Jorge Winckler, da Faculdade de Medicina da Ulbra, será analisado pelo conselho de ética da universidade, como primeiro passo para dar andamento à realização do estudo. Após sua validação, serão iniciados testes com voluntários em Canoas e outras cidades na Região Metropolitana de Porto Alegre.

“A marijuana, a maconha, sempre teve muito preconceito, principalmente com a minha faixa etária, que sou do século passado […] Claro que a gente sabe que o THC que tem no cigarro de maconha, ele deteriora o cérebro se a pessoa fumar muito. Mas o canabidiol não, ele é terapêutico. Então, o estudo vai ser por aí”, afirma o professor.

Assista: Maconha alivia mal de Parkinson? Vídeo de paciente usando maconha viraliza

Em 2014, apenas um paciente usava a substância no Rio Grande do Sul, mas hoje são mais de 80. Eles relatam melhoria na rotina após iniciarem o uso de canabidiol. “Hoje, para nós, a maconha terapêutica é a solução para a vida dela. Nós temos qualidade de vida de novo. A nossa família voltou a ser uma família”, afirma a professora Liana Maria Pereira sobre as mudanças percebidas na filha Carol, que sofria até 60 convulsões diárias.

A menina sofre da síndrome de Dravê, uma doença neurológica rara. Os médicos receitaram o uso do canabidiol como medida mais eficiente para amenizar os sintomas. A venda sob prescrição foi regulamentada, mas ainda existem limitações no acesso e produção.

Dois anos após começar a usar a substância, a menina já acumulava 60 dias sem convulsões, algo que não acontecia desde o seu nascimento. Ela passou ainda a frequentar a escola e a hidroterapia, participando e atividades e até dando cambalhotas.

O resultado positivo surpreendeu a família, que além de vencer a burocracia, também enfrentou o preconceito.

“Até na família. Hoje em dia existe o preconceito por ela ser uma criança especial. Apesar de ela ter vitórias, ela é uma criança especial. Então, tem preconceito em todas as funções da sociedade”, diz Pereira.

Além do preconceito, a família enfrenta ainda questão dos valores altos dos medicamentos. Existe uma opção que pode custar até três vezes menos, feita à base de óleo de cannabis, porém ainda não é legalizado. Famílias tentam, juntas, a liberação junto ao Congresso Nacional.

“Estamos buscando assinaturas para correr com esse projeto. Porque nós precisamos que seja liberado. Está chegando ao Brasil o Sativex, que é um medicamento à base de maconha, que vem para parkinson adulto. Só que ele vem a (ao custo) R$ 2,8 mil, que não dá para um mês de uso. Quem é que tem condições?”, indaga a mãe de Carol.

Caráter humanitário e preconceito

 Universidade gaúcha deve realizar primeira pesquisa com CBD no Rio Grande do Sul

Especialista americano durante simpósio sobre uso do canabidiol. Foto: RBS TV.

Durante o simpósio, o médico executivo americano Stuart Titus disse que, apesar do preconceito, deve ser levado em conta o caráter humanitário do medicamento.

“A cannabis medicinal tem sido aceita por muitos países importantes no mundo. No Canadá, ela é claramente legal, na Alemanha é legal, e pacientes de lá estão até conseguindo cobertura de seguros de saúde para isso”, afirma Titus.

Franklin Vargas, que é familiar de um paciente e presidente da Associação Nacional de Usuários de Canabidiol, diz que os estudos nos Estados Unidos datam da década de 20. “Já tem estudos com CBD, então olha a distância. O Brasil foi tomar consciência disso em 2014, estamos muito atrás deles”, compara.

Leia também:

UFSCar busca idosos para estudo sobre efeitos da maconha no controle da ansiedade no Parkinson

 Universidade gaúcha deve realizar primeira pesquisa com CBD no Rio Grande do Sul

 Universidade gaúcha deve realizar primeira pesquisa com CBD no Rio Grande do Sul

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smokebuddies.com.br