Tem que olhar pra dentro. Tem que se conhecer.

 

Naquela mesa de bar é que eu sentava após cada fino. Pedia uma gelada e um pastel. Comia com pimenta e pensava no lado bom da vida. Pensava que um futuro bom poderia estar próximo. A gente respira mais em paz quando sente que algo bom vem aí. Uma sensação das melhores. Essas horas que eu dedicava a mim eram pra pensar em música, pra pensar na mulher que me dava amor e viajar no sabor do pastel de carne. Após o green: pastel e gelada. Vida simples.

Mas, infelizmente, não é só de paz que se vive a vida, há reviravoltas. A gente, às vezes, perde tudo. Fica sem chão. E essa é a hora dos fortes. O verdadeiro malandro não deixa ser dominado por nada. Nem pelo amor que sei foi. Nem para o parente que morreu sem dar tchau. Nem para a erva.

A linha entre o vício e o consumo é tênue em qualquer substância que altere a mente. Beber altera os pensamentos, fumar um altera pensamentos, assim como remédios tarja preta alteram – e muito – os pensamentos. Às vezes a realidade dói e a gente tenta fugir. Tudo o que a gente abraça demais na fuga acaba apertando demais as costas.

Somos os responsáveis pelo nosso corpo e pelas atitudes que a mente decide tomar. Aquele que, ao tomar uma rasteira da vida, se agarra em qualquer substância ao invés de se agarrar em si, sai prejudicado dessa treta existencial. Uma cerveja, um green e um amor. Tudo isso deve ser consumido com responsa. Conhecendo seus próprios limites. Cerveja demais faz vomitar; green demais faz amar e amar demais faz doer.

Essa vida dá tapa na cara a todo momento. Nos rouba alguns direitos, como o de ir e vir de cabeça feita. Nos tira pessoas importantes e atira nos nossos sonhos. Mas o prêmio para quem insiste em viver dentro de um objetivo é que quando o sonho se realiza, quem dá o tapa na cara da vida é a gente. Me diz quem é que não quer sorrir triunfante?

Sem mais delongas: minha batalha é pelos sonhos. Que as pessoas sejam quem quiserem ser, todas ao seu modo desde que exista um certo grau de respeito. Não precisa de respeito silencioso; pode discordar da minha ideia. Pode vir me dizer que discorda dela. Pode ter a sua própria ideia. Só não pode impedir que eu tenha o meu modo de enxergar as coisas e que eu fale dele para as pessoas.

E se é nos sonhos que eu acredito, também acredito que você não deixará nenhum excesso te impedir de chegar lá, correto?

Fumar o fino na hora exata. Beber na hora marcada. Amar na medida certa. Taí a vida que quero pra mim.

Conheça mais de Fábio Chap:
http://fabiochap.wordpress.com/

 

lazy placeholder Tem que olhar pra dentro. Tem que se conhecer.

Sobre Chap