A parte difícil da legalização: fazer os californianos comprarem a maconha legal

mao flor california A parte difícil da legalização: fazer os californianos comprarem a maconha legal

A legalização da maconha recreativa na Califórnia foi um importante marco para a indústria da cannabis, entretanto nem tudo são flores. Um ano após o início das vendas, o Estado se vê diante de um enorme excedente de maconha legal e um robusto mercado negro que continua a operar. Saiba mais sobre o assunto na reportagem do New York Times, com tradução da Smoke Buddies.

Um bilhão de dólares em receita tributária, a domesticação do mercado negro, a conveniência das lojas de varejo de maconha em todo o Estado – essas foram algumas das promessas feitas pelos defensores da legalização da maconha na Califórnia.

Um ano após o início das vendas recreativas, elas ainda são apenas promessas.

O experimento de legalização da Califórnia está atolado em debates sobre regulamentações e paralisado por cidades e vilarejos que não querem as empresas de cannabis em suas ruas.

A Califórnia foi o sexto estado a introduzir a venda de maconha recreativa – o Alasca, Colorado, Nevada, Oregon e Washington pavimentaram o caminho -, mas o enorme tamanho do mercado levou a previsões de crescentes vendas legais de maconha.

Em vez disso, as vendas caíram. Cerca de US$ 2,5 bilhões de maconha legal foram vendidos na Califórnia em 2018, meio bilhão de dólares a menos do que em 2017, quando apenas a maconha medicinal era legal, de acordo com a GreenEdge, uma empresa de rastreamento de vendas.

“Definitivamente, há dias em que acho que a legalização foi um fracasso”, disse Lynda Hopkins, que faz parte do conselho de supervisores do condado de Sonoma, que assumiu a liderança no licenciamento de negócios de maconha, mas se envolveu em disputas sobre regulamentos e impostos, sem mencionar moradores irritados que não queriam maconha cultivada em seus bairros.

A parte fácil da legalização foi persuadir as pessoas a votarem nela, dizem analistas do setor. A parte difícil, agora que é legal, está sendo persuadir as pessoas a pararem de comprar do mercado negro.

No Colorado e em Washington, as vendas licenciadas dispararam após a legalização. Uma diferença crucial com a Califórnia é seu enorme excedente – o estado produz muito mais maconha do que pode consumir.

As toneladas de maconha extra continuam a se infiltrar em todo o país em estados onde é legal.

“O resultado é que sempre houve um mercado ilícito robusto na Califórnia – e ainda está lá”, disse Tom Adams, da BDS Analytics, que monitora o mercado de cannabis. “Os reguladores ignoraram isso e pensaram que poderiam entrar diretamente em um ambiente incrivelmente rigoroso e com altos impostos”.

As estimativas oficiais mais recentes sobre a produção de cannabis na Califórnia, um relatório publicado há um ano pelo Departamento de Alimentos e Agricultura da Califórnia, mostraram que o estado produz mais de 7 toneladas de cannabis e consome apenas  1,1 toneladas.

O excedente da Califórnia – equivalente a 13 vezes a produção anual total do Colorado – é contrabandeado para o leste, especialmente através das Montanhas Rochosas e do Mississippi, onde o preço de atacado é até três vezes maior.

A Cannabis Benchmarks, empresa que acompanha os preços da maconha, informou no final de dezembro que o preço médio da maconha regulamentada na Califórnia era de US$ 1.183 por libra, comparado com US$ 3.044 em Illinois, US$ 3.072 em Connecticut e US$ 2.846 em Washington DC.

Os defensores da legalização reconheceram há muito tempo os problemas do superávit da Califórnia e disseram que levariam anos para serem resolvidos.

Em uma entrevista em 2016, o tenente-governador Gavin Newsom, que assumirá o cargo de governador na próxima semana, estimou que 85% a 90% da cannabis produzida pela Califórnia foi exportada. “É uma questão muito séria”, ele disse, “e vai criar uma dinâmica onde o mercado negro provavelmente persistirá de uma maneira muito teimosa”.

A distinção entre as empresas legais de cannabis e os criminosos está prestes a se tornar muito mais nítida. O sistema vagamente regulado das cooperativas médicas de cannabis que existe há duas décadas será ilegal depois de 9 de janeiro. Isso dará mais clareza às autoridades policiais.

Jonathan Rubin, diretor da Cannabis Benchmarks, diz que as forças de mercado – preços baixos e competição extrema – também forçarão a saída de muitas empresas menores de maconha da Califórnia.

Isso está afligindo outra promessa feita pelos proponentes da legalização: que os pequenos produtores seriam protegidos.

lazy placeholder A parte difícil da legalização: fazer os californianos comprarem a maconha legal

#PraCegoVer: fotografia em meio perfil e meio primeiro plano de Jigar Patel, presidente da Norcal Cannabis Company, vestindo uma camisa de manga comprida e cor clara e com a mão no bolso, em uma grande sala. onde pode-se ver uma larga faixa de plantas de maconha que percorrem o perímetro e, no teto, várias luminárias retangulares. Créditos: Jim Wilson – The New York Times.

“O ícone da cannabis está se tornando o Homem da Marlboro”, disse Hopkins, a supervisora ​​do condado de Sonoma, referindo-se ao símbolo da indústria do tabaco, com a qual os críticos costumam comparar os negócios de cannabis. “Na Califórnia, fizemos o que sempre fazemos – regular, regular, regular, o que acaba por proporcionar uma vantagem significativa às grandes empresas com economias de escala significativas”.

A imagem popular dos produtores de maconha da Califórnia ainda pode ser de hippies escondidos nas florestas do condado de Humboldt, mas cada vez mais a realidade se parece mais com as operações da NorCal Cannabis Company, em Santa Rosa, ao norte de São Francisco.

A empresa transformou o que era uma fábrica de semicondutores em uma operação de produção de cannabis onde os funcionários que percorrem os corredores antissépticos usam luvas de látex e supervisionam um sistema de irrigação de estilo israelense e um sistema de filtragem de ar de US$ 1 milhão. Ao lado de uma empresa que fabrica revestimentos para medidores de cockpit de aeronaves.

A legalização foi libertadora para grandes players como a NorCal Cannabis.

“Esta é a nossa festa de lançamento”, disse Jigar Patel, presidente da empresa, que percorreu o complexo com um jaleco branco. “É acordar e fazer o que você ama sem se perguntar se o homem está atrás de você”.

Mas para centenas de outros pequenos produtores, a papelada por si só foi o suficiente para colocá-los fora do negócio. Um produtor de cannabis deve apresentar pedidos a até cinco agências estaduais, incluindo a obtenção de um certificado para garantir que eles possam usar uma escala.

Lori Ajax, chefe da Agência de Controle de Cannabis da Califórnia, que às vezes é chamada de czarina da cannabis do estado, descreveu o ano de 2018 como “violento” tanto para os reguladores quanto para o setor.

Seu escritório está planejando uma campanha de informação pública para tentar persuadir os consumidores a deixar de comprar maconha ilegal.

“Temos que conseguir mais consumidores comprando no mercado licenciado”, disse ela.

A legalização foi promovida como uma ajuda para acabar com a guerra contra as drogas. Mas a Sra. Ajax diz que a Califórnia não tem escolha a não ser “intensificar” a aplicação de leis contra a cannabis.

“Como Estado, precisamos nos tornar mais agressivos”, disse ela.

Com menos de duas dúzias de policiais, ela precisará da ajuda de outras agências governamentais.

Ajax disse que ficou animada com o “aumento” de pedidos de empresas de cannabis no final de 2018. A Agência de Controle de Cannabis emitiu 2.500 licenças temporárias. No entanto, isso ainda é uma fração das dezenas de milhares de negócios de cannabis no Estado.

Adams, da BDS Analytics, diz que 2018 foi um ano de “constantes diminuições nas previsões” de vendas de maconha. Mas ele e outros acreditam que o mercado legal só pode crescer, especialmente após a disputada decisão do escritório de Ajax de permitir que os serviços de entrega de cannabis operem em todo o Estado – mesmo em áreas onde os municípios locais proibiram os negócios de maconha.

O aumento nas vendas pode levar a receita fiscal mais próxima das previsões da cédula do referendo de 2016, que previa que a receita chegaria às “altas centenas de milhões de dólares a mais de US$ 1 bilhão por ano”.

Até setembro, Sacramento coletou apenas US$ 234 milhões em impostos sobre a cannabis. O Colorado, com uma população com metade do tamanho do condado de Los Angeles, arrecadou aproximadamente o mesmo valor no ano passado.

O governador Jerry Brown, que deixa o cargo em 7 de janeiro, descreveu a receita de cannabis como não confiável em uma recente entrevista ao The New York Times.

“Eu não contei com nenhuma receita de maconha”, disse ele. “Quem está contando com a receita da maconha? As pessoas disseram isso para torná-la mais plausível para os eleitores ”.

Ainda assim, em muitos aspectos, 2018 foi um ano marcante para a legalização da cannabis. O Canadá tornou-se o primeiro país industrializado a permitir a venda de maconha recreativa; a Suprema Corte mexicana decidiu que a proibição da maconha é inconstitucional, abrindo caminho para a legalização; Vermont e Michigan legalizaram a maconha recreativa e Oklahoma tornou-se o 30º estado a legalizar a maconha medicinal.

Ajax vê uma solução para o excedente de cannabis da Califórnia se, e quando, a maconha se tornar legal em todo o país.

“Seria maravilhoso se pudéssemos vender para outros estados”, disse ela.

Leia também:

A maconha salvará o futuro de uma pequena cidade no deserto da Califórnia

#PraCegoVer: fotografia (capa) de um tenro galho de maconha com flores em tons de verde e pistilos marrons, sendo segurado na horizontal, e os dedos polegar e indicador da mão que o segura (vinda do canto inferior direito da foto); e um fundo desfocado. Créditos da foto: Steven Senne – Associated Press.