Número cada vez maior de pacientes com câncer relata melhoras com a maconha medicinal

cultivo medicinal Número cada vez maior de pacientes com câncer relata melhoras com a maconha medicinal

O número de pacientes com câncer que relatam melhoras em seu tratamento com o uso da maconha cresce mais a cada dia, contudo a proibição dificulta que testes clínicos sejam realizados. Saiba mais sobre o assunto com as informações do Daily Camera e tradução da Smoke Buddies.

Braden Stevenson, um jovem de 17 anos que mora em Longmont, foi diagnosticado com osteossarcoma, em 2016. Um ano depois, após várias sessões de quimioterapia, os médicos disseram que a doença era quimiorresistente e que, na verdade, ela havia crescido como resultado da terapia, tornando qualquer cirurgia excessivamente perigosa. Com nada mais a fazer, os médicos estimaram que Braden tinha um ano para viver.

A mãe de Braden, Amy Ronzani, que trabalha como assistente médica, se recusou a aceitar esse diagnóstico e começou a pesquisar tratamentos alternativos. Quase imediatamente ela ouviu histórias de canabinoides sendo usados ​​para combater com sucesso o câncer. Apesar das advertências dos médicos de seu filho de que os canabinoides poderiam ter uma reação negativa com a quimioterapia, Amy percebeu que ela e Braden não tinham nada a perder e procuraram dispensários medicinais.

lazy placeholder Número cada vez maior de pacientes com câncer relata melhoras com a maconha medicinal

#PraCegoVer: fotografia de Braden Stevenson vestindo uma blusa de moletom azul, com as mãos nos bolsos e encostado em uma árvore, e ao fundo fora de foco uma casa. Créditos: Lewis Geyer – Staff Photographer.

Três meses depois, quando Braden tomava cerca de 60 miligramas de comprimidos de THC e óleo de CBD por dia, exames médicos mostraram que os nódulos pulmonares cancerosos nos pulmões de Braden se estabilizaram e começaram a se calcificar. Outros quatro meses depois, os nódulos cancerosos encolheram em oito vezes o seu tamanho.

Em setembro passado, Braden passou por outra rodada de testes que mostraram que os nódulos continuavam encolhendo, apesar de dois novos linfonodos muito pequenos terem aparecido.

Apesar desse pequeno contratempo, Ronzani continua confiante de que os canabinoides mantiveram seu filho vivo e que os novos nódulos são simplesmente o resultado da agressiva tensão do câncer que o afeta. Apesar do prognóstico do médico, ele completou 18 anos na segunda-feira (19).

“Em retrospecto, estou muito chateado por ter esperado até o ponto em que os médicos disseram que não havia mais nada que podíamos fazer para começar a usar canabinoides”, disse ela. “Eu sempre volto para o ‘e se eu tivesse feito isso desde o começo? Braden teria que passar por um ano inteiro de quimioterapia e se sentir horrível?'”.

Leia: Maconha pode ter uma vasta gama de efeitos anticancerígenos, diz estudo

Usos médicos por milênios

Ronzani disse que os médicos de Braden consideram sua recuperação milagrosa, contudo o uso de canabinoides não é um tratamento novo em outras partes do mundo.

De acordo com a National Cancer Society, os seres humanos sabem sobre as propriedades medicinais das substâncias por milênios.

Lendas chinesas dizem que o imperador Shen Neng, um dos primeiros grandes líderes do mundo antigo, em 2737 A.C., prescreveu chá de maconha para tratar várias doenças, incluindo gota, reumatismo, malária e memória fraca. Suas propriedades médicas são até mencionadas no quarto livro dos Vedas, antigos textos indianos de cerca de 2000 A.C.

No ano 200 D.C., Hua Tuo, um cirurgião chinês, foi o primeiro médico registrado a usar a cannabis como anestésico durante a cirurgia. Durante a Idade Média, na Europa, a cannabis foi usada na medicina popular para tratar tumores, tosse e icterícia. Os médicos americanos chegaram a estudar os efeitos medicinais dos canabinoides até a década de 1970, antes que o governo federal designasse a maconha como uma droga de Classe I, sem uso medicinal aceito.

Apesar dessa história, os médicos hoje têm receio de prescrever a cannabis como parte de um tratamento devido à falta de estudos clínicos modernos.

“Desde 1975, temos literatura científica sobre o potencial de combate ao câncer dos canabinoides, mas muitos deles são estudos com ratos”, disse o Dr. Gary Goodman, um médico de medicina integrativa do Centro de Câncer UCHealth, em Fort Collins. “Depoimentos e relatos são sempre interessantes, mas é difícil eu contar a outro paciente ‘você deveria fazer isso porque esse paciente tinha isso’. Eu realmente prefiro ver uma tentativa de vários pacientes em uma situação semelhante, alguns dos quais recebem a substância, e alguns dos quais não recebem.

A ironia é que como a maconha é uma droga da Agenda I nos EUA pode ser difícil obter permissão para estudá-la aqui, mantendo quaisquer possíveis aplicações fora do alcance do público.

No entanto, desde que foi legalizada em 32 estados para fins medicinais, um número crescente de “testemunhos de milagres”, como o de Braden, começou a aliviar o estigma em torno dos canabinoides e estimular novas experiências – ainda que principalmente por pacientes desesperados.

A boa notícia, segundo Goodman, é que, à medida que mais e mais desses depoimentos começam a se acumular, parece haver “um desdém desse pensamento ridículo sobre o quão terrível a cannabis é” na comunidade médica.

Leia mais: Mulher cura câncer de mama com óleo de maconha e surpreende médicos

Promovendo a morte celular natural

lazy placeholder Número cada vez maior de pacientes com câncer relata melhoras com a maconha medicinal

A primeira mudança veio em junho, quando a Food and Drug Administration dos EUA aprovou seu primeiro medicamento à base de CBD, o epidiolex, que ajuda com formas raras de epilepsia.

“Esta aprovação serve como um lembrete de que o avanço de programas de desenvolvimento que avaliem os ingredientes ativos contidos na maconha pode levar a importantes terapias médicas”, disse o comissário da FDA, Scott Gottlieb, em comunicado.

“Mas, ao mesmo tempo, estamos preparados para tomar medidas quando vemos a comercialização ilegal de produtos contendo CBD com alegações médicas sérias e não comprovadas. O marketing de produtos não aprovados, com doses e formulações incertas, pode impedir que os pacientes acessem terapias para tratar doenças graves e até fatais”.

Embora os estudos sobre canabinoides continuem a ser rejeitados nos Estados Unidos, cientistas da Europa mostraram que os canabinoides podem reduzir o crescimento e a disseminação de células cancerígenas, desencadeando processos no cérebro conhecidos como apoptose e autofagia.

Promovendo a morte celular natural, a apoptose e a autofagia livram o corpo de células doentes que não conseguem combater o câncer e retornam a uma espécie de equilíbrio natural da química do cérebro do paciente, reduzindo a probabilidade de retorno do câncer – especialmente quando usado em conjunto com os tratamentos tradicionais, como quimioterapia ou cirurgia, que matam muitas das células afetadas de uma só vez.

É como se os fuzileiros entrassem em uma zona de guerra e eliminassem todas as facções realmente perigosas antes que as forças de paz da ONU chegassem para supervisionar uma transição saudável de poder.

O primeiro teste humano para estudar estes efeitos ocorreu em Israel, em 2006. Dos nove indivíduos cujo glioblastoma multiforme anteriormente se mostrou resistente a terapias padrão, como cirurgia e radioterapia, dois viram seus tumores encolherem após o THC ser injetado diretamente neles, embora todos os nove pacientes tenham morrido nos estágios avançados da doença.

Embora isso certamente não prove que os canabinoides possam curar o câncer, o estudo mostrou sinais de promessa e levou a mais estudos, particularmente em termos do uso de canabinoides como adjuvante de drogas anticâncer convencionais.

Um estudo realizado no início deste ano na Espanha relatou que “observações do estudo sobre o adenocarcinoma pancreático mostraram que a gemcitabina (um tipo de quimioterapia) administrada com canabinoides inibia sinergicamente o crescimento de células cancerosas”.

Leia também ~ Weed the People: filme fala sobre o uso de maconha por crianças com câncer nos EUA

Nada a perder

David Threlfall, proprietário do Trill Alternatives, o dispensário médico em Boulder que ajudou Braden Stevenson, tem um arquivo cheio de exames médicos que mostram recuperações milagrosas de clientes que usam canabinoides para complementar seus cuidados.

“Eu não diria que é uma cura para o câncer, e isso não funciona para todos, mas usar THC e CBD pode ser muito benéfico se usado da maneira certa”, disse ele. “É muito importante que, se as pessoas usarem isso como remédio, elas venham a um espaço estabelecido para poder entender o que estão tomando e como estão tomando.”

Enquanto é o primeiro a dizer que não é médico, depois de anos de pesquisa após a morte de sua mãe com câncer, Threlfall planejou um regime para seus clientes que parece estar funcionando. Em vez de apenas usar várias formas de canabinoides à vontade, ele as prepara em um programa cuidadosamente pensado, no qual os pacientes tomam micro-doses ao longo do dia para produzir os efeitos desejados de apoptose e autofagia, sem torná-los “pirados”.

lazy placeholder Número cada vez maior de pacientes com câncer relata melhoras com a maconha medicinal

#PraCegoVer: fotografia de David Threlfall segurando uma pequena seringa contendo óleo de maconha diante da câmera. Créditos: Cliff Grassmick – Staff Photographer.

Henry Aguire, outro dos clientes da Threlfall, teve câncer três vezes e já passou por várias rodadas de quimio e cirurgia, apenas para ter o câncer retornando. Quando o câncer em sua tireoide e nódulos linfáticos se espalhou para seus pulmões, em 2012, e os médicos lhe deram um ano de vida, ele decidiu que não tinha nada a perder tentando o THC e CBD.

Trabalhando com o Threlfall, Aguire determinou que a dose mais eficaz para ele era um décimo de mililitro de óleo de haxixe, 20 mililitros de uma forma de THC que não tem efeitos psicotrópicos e 100 miligramas de óleo de CBD.

Seis meses depois, quando Aguire voltou ao hospital para iniciar o tratamento para o câncer de pulmão, ele disse que seus médicos ficaram surpresos ao ver que o câncer havia se estabilizado. Seis anos depois, ele está “indo muito bem”.

“Todo médico que eu vi me disse que não está clinicamente comprovado, então que eu use a meu próprio risco, e isso fará com que todos fiquem em parafuso, o que os assusta a não usar”, disse ele. “Do ponto de vista recreativo, não acredito nisso, mas do ponto de vista medicinal, é melhor acreditar e acredito nele. Passando muito tempo em hospitais ao longo dos anos, vi muitas coisas com cannabis que chocam.”

A página do Facebook “grupo de usuários Green Oil Machine” está repleta de testemunhos semelhantes. Mas, sem evidências científicas que comprovem o potencial dos canabinoides no combate ao câncer, a maioria dos médicos americanos prefere usar os canabinoides apenas para cuidados paliativos em vez de um tratamento em si.

“O que sabemos é que o THC é muito útil para o manejo dos sintomas do câncer e diminui a necessidade de tratamento da dor”, disse Goodman, médico integrador do Centro de Câncer da UCHealth.

“A melhor maneira de usá-lo é como um complemento, desde que o oncologista saiba disso. É importante que as pessoas que têm câncer conversem com um farmacologista para separar as informações da desinformação antes de prosseguir. Mas não faço isso. Acho que pode ser bom pra qualquer condição em geral se for um produto limpo, inspecionado pelo governo.”

Leia:

Um quarto dos pacientes com câncer usou maconha medicinal nos EUA, diz estudo

#PraCegoVer: fotografia (capa) frontal de um cultivo de várias mudas de maconha identificadas com estacas brancas e vermelhas. Créditos da foto: Richard Vogel – AP Photo.