O custo Brasil da maconha

cultivo folhas fogo O custo Brasil da maconha

Enquanto o mercado da maconha medicinal floresce pelo mundo, no Brasil o governo queima dinheiro ao destruir a matéria-prima de medicamentos que importa a altos custos. Entenda mais sobre o tema no texto de Fernanda Mena* para a Folha de S.Paulo.

O Brasil tem queimado dinheiro quando o assunto é maconha para fins medicinais.

Enquanto pacientes brasileiros desembolsam até R$ 7.000 ao mês na importação deste tipo de medicamento, em tratamentos que às vezes são bancados pelo Estado, as polícias incineraram ao menos 1,3 milhão de pés de maconha em 2018.

A estimativa é conservadora, baseada em registros da imprensa sobre operações policiais, que somam 240 mil plantas queimadas na Bahia. Em Pernambuco, estado do famigerado polígono da maconha, 946 mil. No Maranhão, 125 mil.

Deve haver alguma escolha mais racional para o Brasil do que botar fogo no mesmo recurso que importa a peso de ouro, seja como insumo para pesquisas seja como manufaturados de gigantes farmacêuticas dos EUA e Canadá.

Na melhor das hipóteses, é como se o país tivesse queimado R$ 270 milhões. Na pior, mais de R$ 20 bilhões.

Isso porque cada planta pode produzir de 50 a 1.000 gramas de cânabis —ou mais. Sua qualidade é que vai determinar se o custo por grama será de US$ 1 ou de US$ 4 —ou mais.

“A importação do insumo é o grande entrave para se desenvolver medicamentos nacionais. Nosso potencial agrícola pode nos tornar líderes globais na produção de cannabis”, diz o advogado Caio Abreu, cuja empresa, em Valinhos (SP), já investiu US$ 5 milhões desde 2015 neste tipo de pesquisa.

Ele importa flores de cânabis de um produtor holandês a US$ 4 por grama.

O mercado de maconha medicinal tem crescido exponencialmente pelo mundo.

Nos últimos quatro anos, o número de brasileiros que obtiveram da Anvisa autorização para importar esse tipo de medicamento aumentou 27 vezes, de 168 para 4.617 brasileiros.

No total, foram importadas 78 mil unidades de remédios à base de CBD (canabidiol) ou THC (tetra-hidrocanabinol), dois dos principais princípios ativos da planta.

Nos EUA, 33 dos 50 estados do país já legalizaram este mercado. Projeções apontam que, em 2024, a maconha medicinal já deve movimentar por ali US$ 8 bilhões (cerca de R$ 30 bilhões). Isso sem falar no ainda mais lucrativo mercado de maconha para fins recreativos, já regulamentado no Uruguai, no Canadá e em dez estados norte-americanos.

Ex-banqueiro, o futuro superministro da Economia, Paulo Guedes, sabe que queimar dinheiro é mau negócio.

Ao integrar o governo Bolsonaro, notório pela agenda moralizante, Guedes pode se pegar traindo ideias liberais de um de seus mestres da Universidade de Chicago, o Nobel Milton Friedman, para quem “drogas não são um problema econômico, elas são um problema moral”.

*Fernanda Mena é jornalista e mestre em sociologia e direitos humanos pela London School of Economics.

#PraCegoVer: fotografia (de capa) de um cultivo de maconha em período vegetativo e ao fundo uma iluminação alaranjada. Créditos: David McNew – Getty Images.

lazy placeholder O custo Brasil da maconha

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smokebuddies.com.br