Não vá na marcha da maconha

 

‘Hey, polícia, maconha é uma delícia’. Essa foi a grande frase da marcha 2012. Não podemos negar, é uma delícia mesmo.

Mas, Fábio, se você confirmou que é uma delícia, porque está dizendo para eu não ir na marcha? Afinal, a marcha da maconha é um momento em que eu posso mostrar ao mundo que luto por uma causa. Que a alienação está chegando ao fim. Que a legalização transformará a nossa sociedade.

Acho ótimo que você pense assim, leitor. Realmente acho ótimo defender as causas, querer expandir a mente e achar que uma pequena parte da sociedade também quer o mesmo. Que a legalização quebraria o tráfico? Óbvio, não inteiro, mas foderia caralhosamente aqueles que estão pouco se fodendo se veio esterco ou cannabis na sua paranga, vulgo traficantes.

Mas, como eu já disse em textos anteriores, não acredito que podemos encarar a legalização da maconha como uma batalha. Não ganharemos. O governo tem ferramentas muito mais fortes se encararmos isso como briga. Vamos chegar com dichavadores e Aledas, eles chegarão com leis e policiais a cavalo. Quem ganha?

O grito ‘Hey, polícia, maconha é uma delícia’ foi uma grande estupidez cometida por alguns seres que estiveram na marcha. Me diz uma coisa: para que o animal quer direcionar a palavra à polícia? Para que provocar aqueles que estão ali fazendo seu trabalho? Além de tudo, a mando do governo de SP? Estão trabalhando, cumprindo uma missão dada por superiores. Você não tem chefe? Então, eles também. Talvez alguns ali fumem, se duvidar, bolam melhor que você. Outros podem odiar – e estão no direito -. Quem não tem o direito de odiar algo? Todos têm. Respeitando o próximo, temos direito de ter qualquer opinião. Qualquer uma MESMO.

E outra, convenhamos que esse grito soa mais infantil que minha filha de quase 2 anos. A marcha não é lugar de provar para a sociedade o quanto é bom fumar um cigarrinho de artista, o quanto é um barato queimar até a última ponta, o quanto você bola sem ficar camarão, lagosta, caranguejo. A marcha é lugar para mostrar que nós continuamos decentes e conscientes mesmo fumando nosso green. Não lá. Não no meio da Avenida Paulista ou outras avenidas do Brasil. Deixa o verde para o semáforo e que os carros possam passar em paz. Sem marofa. Sem desrespeito. É uma ótima oportunidade de provarmos que a maconha não nos torna idiotas, nem nos aproxima de outras drogas. Só uma postura adulta durante a marcha mostrará ao Brasil que somos capazes de discutir a legalização. Que não estamos afim de enfiar ideologias goela abaixo de ninguém. Qual é a diferença do crente fanático para aquele que acha que o mundo deveria achá-lo um cara mais que demais só porque ele fuma maconha? Nenhuma. Ambos acham que suas ideias são mais valiosas que as dos outros.

Então, se você tá afim de gritar ‘hey polícia, maconha é uma delícia’ não vá na marcha da maconha. Sugiro você tentar gritar isso dentro do DP. Melhor, vá gritar isso no Playland. Lá haverá outras pessoas com a sua idade mental.

Já, se você concorda que ainda há muito a ser discutido, está com a cabeça evoluída e munido de argumentos, será muito bem-vindo nas marchas que acontecem por todo o Brasil.

Boa sorte para nós. Estamos precisando: seja perante a sociedade ou aqueles maconheiros que só nos envergonham.

Conheça mais de Fábio Chap:
http://fabiochap.wordpress.com/

lazy placeholder Não vá na marcha da maconha

Sobre Chap

Assine a nossa newsletter e receba as melhores matérias diretamente no seu email!

Deixe seu comentário