Marcha da Maconha marca 10 anos de resistência contra a proibição

 Marcha da Maconha marca 10 anos de resistência contra a proibição

Os últimos dez anos foram de muitas lutas e conquistas para o ativismo pela maconha, contudo o número de usuários presos como traficantes não parou de aumentar, sobretudo os negros e pobres. Hoje a Marcha da Maconha de São Paulo toma as ruas em sua décima edição pela descriminalização dos usos da planta e pelo fim da mercenária política de “guerras às drogas”. As informações são da Rede Brasil Atual.

Usuários, ativistas e apoiadores tomam neste sábado (26) a Avenida Paulista, em São Paulo, para a décima edição da Marcha da Maconha. O movimento luta pela descriminalização do uso da planta para fins medicinais e recreativos e pelo fim da política de guerra às drogas, que contribuiu para o aumento da violência e do encarceramento em massa, principalmente da população negra, pobre e periférica.

Em 2015, o Supremo Tribunal Federal (STFiniciou a apreciação de recurso questionando a constitucionalidade do artigo 28 da Lei das Drogas (11.343/2006). Com 3 votos a 0 a favor da descriminalização do porte de drogas para consumo próprio, o julgamento foi suspenso em 2017, após pedido de vista do então ministro Teori Zavaski. Morto no mesmo ano, a cadeira de Teori foi ocupada por Alexandre de Moraes (indicado por Temer), contrário à revisão.

Especialistas apontam que a lei de 2006 teve o efeito contrário do esperado. Sem critérios precisos que diferenciassem traficante de usuário, a Lei de Drogas acabou sendo utilizada para reprimir e trancafiar as populações das periferias.

“Com a despenalização, o que se teve foi um aumento gigantesco da população carcerária. Esse jovem preto de periferia antes estava sendo preso pelo uso, – diferentemente do jovem branco de classe média –, e agora passou a ser preso na condição de tráfico”, afirmou a socióloga Amanda Gabriela Amparo, integrante da Iniciativa Negra por Uma Nova Política de Drogas (INNPD), à repórter Beatriz Drague Ramos, da Rádio Brasil Atual.

Em 2016, o sistema prisional brasileiro contava com mais de 726 mil pessoas, 70% delas de homens, acusados por tráfico ou crimes patrimoniais. Em relação às mulheres, mais de 60% delas são acusadas de tráfico, segundo dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias de 2017.

Existem pelo menos outras 315 ações sobre o tema aguardando decisão no Judiciário. Uma delas é do PPS e tem por objetivo assegurar o uso de maconha para fins medicinais e terapêuticos e a importação de medicamentos à base de canabidiol — princípio ativo da maconha.

Histórico

Membro do coletivo Desentorpecendo a Razão (Dar), que integra a marcha em São Paulo, Julio Delmanto diz à Rádio Brasil Atual que, nestes 10 anos, o movimento pela descriminalização se descentralizou, integrou novos atores (como as mães de filhos com doenças neurológicas que defendem o uso da maconha medicinal) e o aprofundamento do debate sobre a legalização.

Foi somente em 2008, por exemplo, que o movimento conquistou, após decisão unânime do STF, o direito de se manifestar. Até então as marchas realizadas pelo Brasil sofriam ameaças de cerceamento e repressão. Contudo, ainda permanecem resquícios autoritários. No último dia 12, marcha realizada no Grajaú, zona sul de São Paulo, foi reprimida pela polícia. Em Santo André, na região do ABC paulista, a prefeitura tenta impedir na Justiça a marcha prevista para ocorrer em 2 de junho.

Delmanto também aponta diferença no tratamento da opinião pública. Há dez anos, a cobertura midiática era feita para ridicularizar os usuários. A situação mudou também no cenário internacional, com o avanço da legalização em países com Uruguai, Portugal e diversos estados norte-americanos. O próximo país da lista deverá ser o Canadá.

Marcha da Maconha tem concentração marcada neste sábado às 14h no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, com saída às 16h20, em direção à Praça da Sé, no centro de São Paulo.

Leia também:

Dez anos de marcha da maconha

#PraCegoVer: fotografia de uma flor de maconha sendo sustentada por duas mãos sobre vários panfletos da Marcha da Maconha São Paulo 2018.

lazy placeholder Marcha da Maconha marca 10 anos de resistência contra a proibição

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smokebuddies.com.br