Mães se unem no cultivo de maconha medicinal para tratamento dos filhos

cultivo crianca Mães se unem no cultivo de maconha medicinal para tratamento dos filhos

As duas mães de Marília obtiveram na Justiça o direito de cultivar maconha em casa e extrair o óleo da planta. Agora, com o conhecimento adquirido com a mãe de Campinas, elas pretendem iniciar o plantio. As informações são do ACidade ON.

A moradora de Campinas que conseguiu na Justiça o direito de plantar maconha em casa para tratar a filha com TEA (Transtorno do Espectro Autista) recebeu no último sábado (16) duas mães de Marília, no interior de São Paulo, que obtiveram a mesma determinação judicial para conversar sobre o cultivo da planta e os métodos de tratamentos dos filhos.

lazy placeholder Mães se unem no cultivo de maconha medicinal para tratamento dos filhos

#PraCegoVer: fotografia em primeiro plano de Nayara manipulando uma planta de maconha (da qual pode-se ver apenas partes de algumas folhas), junto com Ângela que aparece de perfil na parte direita da foto; atrás de Nayara, Claudia observa atenta. Créditos: Renan Lopes.

Claudia Marin e Nayara Mazini conseguiram em fevereiro o direito de importar sementes de Cannabis para fazer o plantio e produzir o óleo de CBD (canabidiol) em casa. A medicação será usada para tratamento de Epilepsia de difícil controle dos filhos, promovendo qualidade de vida, da mesma forma utilizada por Ângela.

Leia mais: Justiça permite cultivo de maconha para tratamento de epilepsia em Marília

Apesar de já utilizarem o óleo derivado da planta no tratamento das crianças, e virem se dedicando aos estudos sobre o uso medicinal da Cannabis, as mães de Marília não possuem experiência com o plantio. Elas então entraram em contato com Ângela, que concordou em ajudá-las, uma vez que obtiveram a mesma decisão da Justiça para o cultivo da planta. Nesse sábado, a campineira as recebeu para mostrar seus métodos para produzir o óleo de CBD.

Como as mães não possuem experiência alguma com plantio, Ângela partiu do básico, discutindo com elas sobre as diversas etapas do cultivo e as dificuldades com pragas e alterações de clima e temperatura.

Ela, que já fez uso do óleo de CBD importado e integral, plantado em casa, valoriza a produção caseira. “Integral é infinitamente melhor”, explicou.

MÃES

Claudia é mãe de Matheus, um garoto de 11 anos portador da Síndrome de West que sofre com epilepsia de difícil controle. “Ele chegou a ter 80 crises convulsivas por dia”, explicou. Desde 2014, ela faz uso do óleo de CBD, uma medicação produzida com a maconha, para tratar as crises do filho.

A medicação no início era fornecida pelo governo após autorização da ANVISA e, posteriormente passou a ser importada pelos próprios pais. Em 2016, a medicação parou de chegar. “Sempre encontravam um problema com a documentação e não entregaram mais”, disse. Além destes problemas, o custo sempre foi alto: chegou a custar cerca de R$ 2,5 mil por mês. Com o cultivo e extração do óleo, ela prevê que os custos caiam em mais de R$ 1 mil mensais.

A qualidade de vida e benefícios terapêuticos que a maconha medicinal proporciona às crianças são enormes, segundo a mãe, afirmando que o medicamento praticamente zerou as crises epiléticas diárias que ele sofria.

O alto custo para adquiri-la, no entanto, era um problema. Isso fez com que Cláudia recorresse à Justiça para ter o direito de fazer a produção do óleo. A ação foi feita juntamente com Nayara, mãe de Letícia, de 6 anos que também sofre com severas crises epiléticas (Síndrome de Lenox Gastaut) e teve inúmeras melhorias com o uso da Cannabis Medicinal. “Minha filha é outra criança depois que passou a usar o medicamento”, disse Nayara.

JUSTIÇA

Na ação, elas argumentaram o alto custo da medicação e como isso dificultava o tratamento das crianças. O juiz federal Luiz Antônio Ribeiro Marins concedeu, em 1ª instância, um habeas corpus preventivo, ou “Salvo Conduto”, que autoriza as mães a comprar sementes de Cannabis para plantar e produzir o óleo de canabidiol utilizado no tratamento das crianças.

Em São Paulo, são apenas três casos que conseguiram na Justiça o direito de fazer a importação e fazer o plantio. No caso de Claudia, foi a primeira vez que duas mães fizeram o mesmo pedido em uma única ação.
Agora, elas terão um pouco mais de tranquilidade e menos custos para adquirir o remédio. Elas ainda não sabem dizer quando farão a aquisição das sementes, mas já se sentem vitoriosas com a decisão que garante a dignidade terapêutica aos seus filhos e têm esperança de romper com o estigma que a maconha carrega.

“Existe um preconceito com a Cannabis pela falta de conhecimento das pessoas e por toda a história propagada que fez parte da criação social de um tabu sobre a planta, associando-a ao tráfico”, explicou Nayara. “Cientificamente está comprovado seus diversos benefícios medicinais, e, quanto à legalização, como mãe e profissional da saúde, acredito que isso não potencializará o tráfico, uma vez que não precisaremos ir em pontos de venda para adquirir as sementes”, completou.

Com o conhecimento e experiências que trocaram com Ângela, as mães já se sentem mais confiantes para importar as sementes e iniciar o plantio. Como o cultivo demora cerca de seis meses, as mães só irão conseguir produzir os primeiros extratos de CBD apenas por volta de setembro deste ano.

Leia também:

Pacientes e médicos se movem para que uso da maconha medicinal seja autorizado no Brasil

#PraCegoVer: fotografia (de capa) de duas inflorescências de maconha e algumas folhas verdinhas de um cultivo, no primeiro plano, e ao fundo desfocado uma criança em pé e vestindo roupa de cor rosa. Créditos da foto: Renan Lopes.

lazy placeholder Mães se unem no cultivo de maconha medicinal para tratamento dos filhos

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smokebuddies.com.br