MACONHEIROS APOIAM CAMINHONEIROS

maconheiros com os caminhoneiros  MACONHEIROS APOIAM CAMINHONEIROS

No Brasil, um presidente ilegítimo está entregando o patrimônio nacional ao adotar uma nova política de preços em que os derivados do petróleo tenham seu valor reajustado de acordo com o dólar e reduzir a capacidade das refinarias do país. A maioria da população apoia a paralisação dos caminheiros e sua indignação pôde ser vista, inclusive, na Marcha da Maconha de São Paulo. Entenda mais sobre o assunto no texto do advogado e ativista André Barros*.

26 de maio de 2018 foi um dia histórico para o Brasil. 100.000 (cem mil) pessoas fizeram a maior fumaça em plena Avenida Paulista. No meio daquela imensa Marcha da Maconha do Brasil, destacava-se uma faixa com os seguintes dizeres: “Maconheiros apoiam caminhoneiros”. Poucos dias antes, nas redes sociais, havia circulado o  desenho de um caminhão verde, com a folha da maconha, escrito #somostodosmaconheiros. 

O importantíssimo movimento dos caminhoneiros autônomos tem amplo apoio da população, afetada por um país que lutou, mas perdeu o transporte ferroviário para o transporte sobre rodas. Jamais sequer chegou ao Brasil o carro totalmente feito de maconha apresentado por Henry Ford em 1941 nos Estados Unidos, com carroceria de cânhamo e biodiesel de semente da erva da paz.

 MACONHEIROS APOIAM CAMINHONEIROS

Temos um país onde todos os produtos, inclusive o gás de cozinha, chegam à nossa mesa, de caminhões movidos a diesel. Até a maconha prensada do Paraguai chega ao Brasil de caminhão. A ditadura militar proibiu carros a diesel e permitiu essse combustível apenas nos caminhões de carga e ônibus. Até hoje, praticamente toda a distribuição de cargas no Brasil é realizada por caminhões movidos a diesel. Quando privatizou a histórica Rede Ferroviária Federal (R.F.F.S.A.), o governo Fernando Henrique Cardoso “fechou o caixão” da luta por um país de ferrovias ao entregar o que restava de nosso transporte de carga por trem. Só não “doou” o transporte de passageiros, porque nenhuma empresa se interessou, daí acabou! Nem o tão falado “legado olímpico” foi capaz de realizar o sonho da ligação do Rio de Janeiro para São Paulo pelo trem bala.

O cenário é claro, nem precisa desenhar: Michel Temer e Pedro Parente, respectivamente, presidentes do Brasil e da Petrobrás, são “vendilhões da pátria”. Criaram um nova política de preços em que os valores de todos os derivados do petróleo são reajustados pela oscilação do dólar. Para completar, reduziram a capacidade de produção das refinarias de petróleo do Brasil, fazendo com que 80% do diesel refinado passassem a ser importados. Voltamos a exportar petróleo cru e a importar seus derivados refinados, agora, reajustados pelo dólar.

Se todos os produtos são distribuídos em caminhões a óleo diesel e o diesel é reajustado pela variação cambial, conseguiram atrelar toda a economia brasileira ao dólar. O golpe final pode ser a eleição desses entreguistas do PMDB, PSDB, DEM, PRB e PSL, que vem a ser o nono partido ao qual Bolsonaro se filiou. Se ganharem o pleito que se aproxima, esses “vendilhões da pátria” vão doar a Petrobrás aos sedentos acionistas americanos e não teremos mais como reclamar de nenhum aumento de preços no Brasil. 

*ANDRÉ BARROS é advogado da Marcha da Maconha, mestre em ciências penais, vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, membro do Instituto dos Advogados Brasileiros e pré-candidato a deputado estadual do PSOL-RJ

Leia mais:

Marcha da Maconha leva mais de 100 mil às ruas do centro de São Paulo

 MACONHEIROS APOIAM CAMINHONEIROS

Confira mais imagens da 10ª edição da Marcha da Maconha em São Paulo, pela lente da Mídia Ninja.

 MACONHEIROS APOIAM CAMINHONEIROS

#PraCegoVer: fotografia de capa feita durante a 10ª edição da Marcha da Maconha, em São Paulo, e entre a multidão pode-se ver em destaque uma faixa com os dizeres “Maconheiros com os Caminhoneiros”, “Fora Temer!” e uma folha da erva. Créditos: Alice Vergueiro – Marcha da Maconha SP.

 MACONHEIROS APOIAM CAMINHONEIROS

Sobre André Barros

ANDRÉ BARROS, advogado da Marcha da Maconha, vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, membro do Instituto dos Advogados Brasileiros e terceiro suplente de Deputado Estadual pelo PSOL do Rio de Janeiro.