Maconha legalizada atinge cifras bilionárias

dinheiro dolar Maconha legalizada atinge cifras bilionárias

A maconha é o negócio da vez. A legalização do uso recreativo da planta na Califórnia e no Canadá agitou o mercado mundial de fusões e aquisições, que vem apresentando negócios bilionários desde o começo do ano. Gigantes do álcool e do tabaco entram no negócio antes que seus produtos sejam substituídos pela erva legal. As informações são da Folha de S.Paulo.

​Dona da cerveja Corona, Constellation Brands compra fatia da canadense Canopy Growth, uma das maiores empresas de maconha do mundo.

Gigante de tecnologia HP fornece hardware para Flowhub, especialista em software para o varejo de maconha nos Estados Unidos.

A também americana Alliance One, multinacional de tabaco, adquire controle de duas canadenses que processam a erva.

As transações acima —apenas três exemplos de negócios realizados desde o fim de 2017— são prova de que o mercado de maconha ficou sério demais para que grandes companhias não tenham ao menos um pé nele.

 Maconha legalizada atinge cifras bilionárias

#PraCegoVer: fotografia de uma trabalhadora passando com um carrinho motorizado dentro de uma estufa de plantação de maconha na Califórnia. Créditos: Jae C. Hong – Associated Press.

O momento é de consolidação, com cifras comparáveis ao que se vê em mercados tradicionais.

O maior acordo no ramo ocorreu na segunda-feira (14).

A Aurora Cannabis, que cultiva a planta nas montanhas rochosas de Alberta, no Canadá, pagou US$ 2,5 bilhões pela concorrente MedReleaf. A Aurora bateu o seu próprio recorde. Há poucos meses, pagara cerca de US$ 1 bilhão pela CanniMed Therapeutics.

Com o uso medicinal já liberado, o Canadá legalizará o consumo recreativo no segundo semestre, mas, a cada grande operação no setor, as ações de empresas do ramo disparam, levantando dúvidas sobre uma possível bolha especulativa.

O Canadá vem assumindo protagonismo no setor. Será o segundo país no mundo a liberar o consumo recreativo em nível federal, depois do Uruguai, e o primeiro entre o chamado G7, grupo das principais economias do planeta.

Já nos Estados Unidos, as liberações ocorrem por estado, mas a lei federal proíbe, o que provoca alguma insegurança, mas não chega a tolher o impulso investidor.

Jeff Sessions, secretário de Justiça de Donald Trump, recentemente se opôs a uma política do antecessor, Barack Obama, que instruía promotores federais a não tomar medidas contra a maconha em estados já legalizados —o uso médico é legal em 29 estados, e o recreativo, em 9.

O mercado americano de cânabis legal cresceu 30%, batendo em US$ 10 bilhões em 2017, segundo a consultoria ArcView Market Research, cujas estimativas preveem o dobro do montante em 2021.

No Canadá, o mercado de capitais evoluiu a tal ponto —com as maiores companhias de maconha listadas na Bolsa de Toronto— que o valor das ações delas, juntas, corresponde a quase metade da capitalização da indústria de mineração de ouro. Algumas têm valor de mercado que superam a previsão das vendas do uso recreativo no país.

O otimismo ocorre em um momento em que o consumo da planta ganha contornos institucionais. No fim de 2017, a OMS (Organização Mundial de Saúde) reconheceu que o canabidiol, uma das substâncias da planta, pode tratar a epilepsia.

 Maconha legalizada atinge cifras bilionárias

#PraCegoVer: fotografia de dois potes grandes de vidro cheios de flores de maconha com etiquetas com as identificações “Ghost OG Moonshine Organic” e “Double Down Kush Organic” e um porte de vidro pequeno com baseados e a identificação “Double Down Kush”, à venda em um dispensário no Colorado, EUA. Créditos: Helping Hands Herbals.

A estreia da HP com um cliente nesse mercado simboliza uma conquista na batalha que a indústria de cânabis trava há anos para quebrar o estigma.

O software da Flowhub serve para ajudar os varejistas de maconha licenciados a rastrear vendas, controlar estoques e se manter em conformidade com as exigências das agências reguladoras.

O uso recreativo tende a mudar a dinâmica do negócio, e as empresas já perceberam. O interesse de gigantes como a Constellation e a Alliance One já sinalizam a preocupação com o potencial da maconha de canibalizar as indústrias de bebida alcoólica e tabaco quando o uso da erva estiver amplamente legalizado.

Para a analista Vivan Azer, da Cowen & Co., cujos relatórios sobre o produto se tornaram referência em Wall Street, uma erva legalizada pode substituir parte do papel da bebida como desinibidor social.

Christopher Meyn, sócio da Evolvd, que investe em mais de dez empresas e tem meia dúzia de licenças nos EUA, considera que a febre de interesse é justificada.

“O uso recreativo foi liberado neste ano na Califórnia, que é um estado com um mercado tão grande, quase um país. É para onde os americanos estão indo desenvolver plantio em escala, modelos de varejo e muitos produtos”, diz Meyn.

O mercado que explode no Canadá e nos EUA ganha tração pelo mundo. Segundo a Nuuvera, empresa do setor, 15 já legalizaram a maconha medicinal e outros quase 30 estudam algum tipo de regulação, o Brasil inclusive.

Quem começa a florescer no olhar de investidores é a Colômbia, que há dois anos liberou maconha medicinal para uso doméstico e exportação.

O destaque só cresce desde setembro, quando o governo passou a distribuir licenças de cultivo e processamento. Canadá e Holanda já são exportadores de peso, mas o clima faz da Colômbia um competidor natural, segundo Jon Ruiz, presidente da Medcann, uma das primeiras a obter licença.

Além da vocação exportadora, é um forte consumidor da medicação, segundo Alvaro Torres, presidente da Khiron, outra pioneira na Colômbia.

“Quando o Brasil tiver regulação e entrar neste mercado, haverá uma nova onda de cânabis medicinal”, diz Torres.


GRANDES NEGÓCIOS RECENTES NO MERCADO DA CANNABIS

Aurora Cannabis
Canadense de capital aberto registrou valor de mercado de US$ 3,5 bilhões em abril; fundada em 2013, produz maconha com fins medicinais.

Comprou:

Med Releaf
Empresa canadense, obteve licença do governo local para processar maconha medicina em 2014.
Quando: mai.2018
Valor da operação: US$ 2,5 bilhões

Canni Med Therapeutics
Empresa canadense de cannabis medicinal, com foco na produção de óleos, abriu capital em 2016.
Quando: jan.2018
Valor da operação: US$ 1 bilhão

Alphria
Companhia canadense de maconha medicinal, listada na Bolsa de Toronto, atingiu US$ 2,3 bilhões em valor de mercado neste ano.

Comprou:

Nuuvera
Canadense especializada para maconha para fins medicinais
Quando: mar.2018
Valor da operação: US$ 329 milhões

Constellation Brands
Fabricante de bebidas e dona de marcas como as cervejas Corona e Modelo, e a vodca Sevdka.

Comprou 9,9% da:

Canopy Growth
Canadense de maconha medicinal, lista na Bolsa de Toronto, aringiu valor de mercado de US$ 5,2 bilhões em abril
Quando: nov. 2017
Valor da operação: US$ 191 milhões

Alliance One
empresa de tabaco norte-americana que fornece para multinacionais fabricante de cigarros

Comprou:

Island Garden e Goldleaf
Empresas de produção de cannabis medicinal
Quando: fev. 2018
Valor da operação: não divulgado ​

Leia também: Maconha deixa de ser nicho para se tornar um negócio de bilhões

#PraCegoVer: fotografia de uma flor de maconha em um recipiente de vidro ao lado de várias notas de dólares.