Maconha começa a ser vendida em farmácias no Uruguai

maconha comeaca ser vendida farmacias uruguai capa smokebuddies Maconha começa a ser vendida em farmácias no Uruguai

Depois de se atrapalhar com as datas do início das vendas, o governo uruguaio finalmente começa a comercializar a maconha nas farmácias credenciadas. Segundo o IRCCA, até o momento são 16 estabelecimentos habilitados, distribuídos por 11 departamentos do país. Entenda mais no texto abaixo.

O dia 19 de julho entra para a história do Uruguai com o começo das vendas da maconha nas farmácias do país. Esta é a terceira via de acesso legal para o usuário e a última etapa do processo da Lei 19.172 que regulamentou a maconha realizado em 2013 pelo governo do ex-presidente, José Mujica (2010-2015).

Segundo informação divulgada nesta quarta-feira (19) pelo Instituto de Regulação e Controle da Cannabis (IRCCA), até o momento são 16 farmácias habilitadas ao sistema que cumprem os requisitos, distribuídas em 11 dos 19 departamentos pelo país. Esta informação se atualizará a medida que novos pontos de vendas forem habilitados ao sistema de venda da maconha estatal.

A venda ocorrerá inicialmente nos 16 estabelecimentos credenciados que tiveram seus locais divulgados na manhã do dia 19 pelo IRCCA. Os usuários poderão comprar até 10 gramas por semana, limitados a 40 gramas por mês. O comércio, entretanto, não é livre. Somente quem tiver cadastrado ao sistema poderá comprar – tanto cidadãos uruguaios quanto estrangeiros, desde que residam legalmente no país. O registro pode ser feito nas agências dos correios.

lazy placeholder Maconha começa a ser vendida em farmácias no Uruguai

Adquirente registrado exibe a variedade Beta I. Cada embalagem contém 5 gramas de flores. – Foto Henrique Reichert / EMC / SB

Inicialmente a maconha estatal poderá ser encontrada em farmácias espalhadas pelos departamentos de Artigas, Canelones, Colonia, Flores, Lavalleja, Maldonado, Montevidéu, Paysandú, Salto, San José e tacuarembó. Com baixa porcentagem de THC, a erva  “não bate nada”, segundo definição da presidente da Sociedade de Endocannabinologia do Uruguai, Raquel Peyraube. Aliado aos poucos pontos de venda que não garantirá o acesso legal ao produto a toda população, coloca em xeque alguns argumentos da Lei de Regulação da Cannabis, como a diminuição do poder do narcotráfico através do mercado.

Com o início das vendas nas farmácias, dois tipos da erva estão disponíveis: Alfa I – do tipo Índica, com efeitos que podem ser sentidos a nível físico – e Beta I – do tipo Sativa, com predominância de efeitos cerebrais. Os dois possuem quantidades médias a baixas de (2%) de THC (Tetrahidrocannabinol), substância responsável pelo efeito psicoativo e alta quantidade (6%-7%) de CBD (Cannabidiol).

Produzida por duas companhias privadas escolhidas pelo governo em uma licitação pública, a maconha será vendida a 187,04 Pesos / US$ 6,50 (cerca de R$ 20) para cada 5 gramas, preço inferior ao praticado no mercado ilegal, onde se paga por 25 gramas de flores uma média de 2.500 até 5.000 pesos, segundo pesquisa de preço realizada na última semana com alguns usuários e turistas em Montevidéu.

Segundo Guilhermo Mastroianni, do Clube Canábico Amandolamaria, a maconha obtida no mercado cinza, quando de qualidade, possui uma maior concentração de THC que a ofertada pelas farmácias: “Estão comercializando flores de cânhamo no lugar de marihuana”, disse Mastroianni ao Smoke Buddies.

lazy placeholder Maconha começa a ser vendida em farmácias no Uruguai

2 Variedades: Alfa I e Beta I – Foto G.Losa

Quem pode comprar?

Tanto cidadãos uruguaios quanto estrangeiros, desde que residam legalmente no país e que já haviam realizado o trâmite de registro nas agências dos Correios poderão recorrer às farmácias aderidas ao sistema sem ter a necessidade de mencionar nome ou apresentar qualquer outro documento, utilizando apenas a digital cadastrada.

Quantas pessoas estão registradas?

Segundo o portal do Ircca, até o momento são 4.959 pessoas registradas como adquirentes de maconha nas farmácias, sendo 60% residentes de Montevidéu.

Dos inscritos, 70% são homens e 30% mulheres. Em relação à idade, observou-se que a maioria dos adquirentes registrados está entre 30 e 44 anos, estes representam 4 de cada 10 inscritos. Por outro lado, 3 de cada 10 são maiores de 45 anos. O restante tem idade de 18 a 29 anos.

A respeito do nível de escolaridade, se observa que 4 entre 10 pessoas possuem ensino superior e o restante possui o ensino médio.

Quem é cultivador ou membro de um clube pode ser adquirente?

No caso de ser um dos 6.948 autocultivadores registrado ou integrar um dos 63 clubes de cultivo, as outras duas formas de acesso a maconha legalmente, não poderá comprar cannabis nas farmácias.

Caso a pessoa já tenha se registrado em alguma outra modalidade deverá ser dado baixa no registro anterior e aguardar um prazo de 3 meses de carência. As pessoas que se inscreveram como adquirentes também poderão dar baixa para ingressar em uma das outras duas modalidades e neste caso não há prazo de carência estabelecido.

Leia também:

Especialista pede abertura de mercado da maconha para turistas no Uruguai

Foto de capa Henrique Reichert – EMC / SMOKE BUDDIES

lazy placeholder Maconha começa a ser vendida em farmácias no Uruguai

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.