Japão vive onda de consumo de maconha

japao vive onda de consumo de maconha Japão vive onda de consumo de maconha

Uso de drogas no Japão ainda é menor do que em vários países ocidentais, mas uma nova geração de japoneses curiosos está disposta a confrontar as rígidas leis antidrogas do país. As informações são da Deutsche Welle.

As respostas irreverentes dadas por um grupo de alunos presos em meados de maio passado no distrito de Kochi, no sul do Japão, por posse de maconha, fizeram soar o alarme num país conhecido por sua tolerância zero em relação a todos os tipos de drogas ilegais.

No total, a polícia prendeu 12 pessoas, entre elas seis adolescentes. Questionados pelos policiais sobre o motivo pelo qual tinham comprado a maconha de um homem ligado a um dos grupos da máfia japonesa Yakuza, um dos meninos teria dito: “Queríamos ser como músicos estrangeiros, então fumamos maconha.”

As prisões coincidiram com a divulgação de estatísticas da polícia japonesa, que mostram que 3.008 pessoas foram presas sob acusações relacionadas à maconha em 2017 – um aumento de 417 casos em relação ao ano anterior e o maior número anual já registrado no país.

Os níveis mais altos foram constatados na faixa etária entre 20 e 29 anos, com 9,4 prisões a cada 100 mil pessoas, quase o dobro do número de 2014 (cinco a cada 100 mil). Destacaram-se, também, as prisões de pessoas com idades abaixo de 20 anos, que registraram um pico de 4,1 detenções por 100 mil cidadãos – há quatro anos, a taxa foi de 1,1 por 100 mil.

A edição desta semana da revista de notícias Spa! trouxe um artigo intitulado “Febre da maconha”. O texto detalha como o uso da erva está se tornando mais comum entre profissionais com idades entre 20 e 30 anos.

Num momento em que vários estados americanos e países europeus estão legalizando as chamadas “soft drugs”, ou drogas leves, e autoridades em cada vez mais regiões do mundo estão ignorando indivíduos pegos com quantidades pequenas – para uso pessoal, o Japão continua completamente empenhado em proibir completamente todos os tipos de narcóticos, aplicando rigorosamente as leis.

“O Japão estipulou as suas regras sobre a maconha depois que fomos derrotados no fim da Segunda Guerra Mundial e os americanos vieram para cá”, lembra Junichi Takayasu, autor e curador do Museu da Maconha no distrito de Tochigi, no norte de Tóquio.

“Na verdade, o Japão tinha um uso diminuto, mas antigo, da maconha, para produzir tecidos, papel e na medicina tradicional”, explica. “Mas isso mudou em 1945, porque os americanos trouxeram com eles o conceito de proibição total, nos moldes do que tinham feito com bebidas alcoólicas na década de 1920 e no início da década de 1930. E não vejo nenhuma chance de o governo aqui relaxar as suas regras tão cedo”, prevê.

Oposição “antiga e firme”

Makoto Watanabe, professor associado de Comunicação e Mídia na Universidade Hokkaido Bunkyo, concorda que a rígida legislação antidrogas japonesa – até para drogas consideradas relativamente inócuas em outros lugares – veio para ficar.

“É verdade que, em comparação com vários outros países, o número de prisões é baixo, mas essa é uma sociedade com uma antiga e firme oposição a drogas”, afirma o estudioso. “E isso torna qualquer aumento, como vimos recentemente, uma questão séria.”

“Eu me lembro de ver anúncios publicitários na televisão quando era criança que diziam ‘desista das drogas ou desista da vida’. Então, desde pequenos, ouvimos que todas as drogas são ruins”, recorda.

“Mas não sei por que houve esse aumento recente do uso de maconha entre adolescentes e jovens adultos. Talvez tenha alguma relação com o estresse ligado ao trabalho ou outros tipos de pressão social, apesar de também haver a possibilidade de algumas pessoas estarem achando que essa utilização está na moda”, especula.

De fato, músicos famosos também foram alvo das rígidas leis antidrogas do Japão. Paul McCartney, por exemplo, passou dez dias na prisão em 1980 depois que maconha foi encontrada em sua bagagem após sua chegada ao país para uma série de shows. Os Rolling Stones tiveram que esperar vários anos até obterem vistos para se apresentarem no Japão por causa de sua fama de consumir drogas ilegais.

Inevitavelmente, o aumento da demanda desencadeou um maior número de produtores dispostos a correr o risco de serem pegos em troca de um lucro rápido e considerável. K., que não quis revelar o nome completo à reportagem da DW, lucra bastante plantando maconha no porão de uma casa de família na periferia de Tóquio.

“Drogas se tornaram mais ‘tendência’ nos últimos anos, e muita gente vê a maconha assim como enxerga tomar um drinque ou fumar um cigarro”, diz K., admitindo que pessoas jovens são atraídas pelo glamour relacionado a pop stars, atores ou atrizes e até mesmo a atletas profissionais que foram presos nos últimos anos em posse de drogas ilegais.

Prisão de surfista profissional

Yuichi Takaso, um surfista profissional, foi considerado culpado em 2009 por posse de drogas. Sua esposa, a atriz Noriko Sakai, foi presa alguns dias depois sob acusações parecidas. Ironicamente, Sakai apareceu numa campanha de TV do governo contra o uso de drogas.

Preocupada com os relatos sobre o aumento do consumo de drogas entre os estudantes, a prestigiosa Universidade Waseda enviou uma carta a todos os alunos, intitulada: “Alerta contra o uso de drogas ilegais”.

Para a geração mais jovem, especialmente estudantes universitários, há uma grande tentação de usar drogas. Esse se tornou um assunto social extremamente sério, em parte porque fumar maconha é tão fácil – não há necessidade de aparelhos especiais ou equipamento para o uso recreativo da droga.

“Palavras tentadoras são usadas com frequência para aliciar as pessoas: ‘Recupere-se da fadiga’, ‘Refresque sua mente’, ‘Escolha o caminho fácil da dieta’. Esse tipo de encorajamento é pernicioso e desprezível, em primeiro lugar porque a informação é baseada em falsidade”, diz o texto da instituição.

“Em segundo lugar, e muito mais importante: com muita frequência, aqueles que são tolos o suficiente para se deixarem seduzir por essas afirmações acabam física e mentalmente arruinados, talvez vivendo de forma criminosa”, prossegue a carta.

Leia também:

Quanto mais avança a legalização da maconha, menor é o uso entre os jovens nos EUA

#PraCegoVer: fotografia de capa mostra duas placas brancas, ambas com o desenho de uma folha de maconha e abaixo uma escrita em caracteres do idioma japonês, afixadas em um poste e um prédio.

lazy placeholder Japão vive onda de consumo de maconha

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smokebuddies.com.br