Interventor Federal diz que acompanha com interesse a legalização da maconha

Acompanho com interesse disse Interventor Federal sobre legalizaca da maconha Interventor Federal diz que acompanha com interesse a legalização da maconha

O Brasil passa por uma de suas piores crises políticas e de segurança pública e o governo federal, ao invés seguir os exemplos de outros países que obtiveram sucesso com a legalização da maconha, decreta uma intervenção militar sob a insígnia de federal que agrava ainda mais a violência nos morros do Rio.

A intervenção federal no Rio de Janeiro está em curso até o fim deste ano e o decreto aprovado pelo Presidente Temer dá poderes ao general Walter Braga Netto que acredita que só polícia não basta para resolver os problemas de violência do país.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Braga Netto respondeu a 13 questões e entre elas afirmou que a intervenção federal é para recuperar a chamada “capacidade operativa das polícias”.

Entre os assuntos abordados, Braga Netto afirmou que acompanha “com interesse” o debate sobre a legalização da maconha em locais como Estados Unidos, Europa e Canadá. Para alguns especialistas, a legalização da droga poderia reduzir o poder dos traficantes, por exemplo.

“Trata-se de um tema extremamente complexo, que envolve uma série de vertentes e não só a segurança pública. Há experiências recentes em alguns países, mas ainda não houve tempo para se concluir sobre resultados positivos e negativos da descriminalização”, afirmou. “O uso de drogas tem um viés forte na área de saúde e na estrutura familiar. Acompanho o debate com interesse.”

Leia também: Exército responde a usuário de maconha no Twitter e mostra a que veio: secar gelo

Intervenção Federal não é solução!

Para nós da Smoke Buddies, e inúmeros especialistas, a Intervenção Federal é apenas mais uma ação de “Secar Gelo” ordenada pelo governo e executada pela força militar.

Uma das soluções possíveis que afetaria diretamente o crime organizado seria a regulamentação da maconha. O crime organizado com seu forte armamento e traficância não começa nas comunidades e favelas cariocas, mas sim nas nobres casas, coberturas, fazendas e helicópteros e aviões ligados a senadores, nos caminhões do próprio exército e até de dentro da própria corporação policial, com os agentes corruptos. Mas a intervenção está na porta de quem?

Não há paióis de pólvora, fábricas de armas e tão pouco cultivos e grandes produções de drogas nas favelas. Imagine uma pirâmide e observe que quem está no topo certamente não está sofrendo os efeitos da intervenção federal, como os moradores das comunidades cariocas.

O problema da violência nos morros do Rio de Janeiro não será resolvido através de mais violência como o uso da intervenção militar e sim com a regulamentação do cultivo/produção e distribuição das drogas. O mundo já mostrou que esse é o melhor caminho para por fim a esta guerra que, por hora, parece interminável.

Leia mais: Intervenção e Maconha

lazy placeholder Interventor Federal diz que acompanha com interesse a legalização da maconha

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.