Frente Parlamentar busca regulamentação da maconha para uso medicinal no Rio de Janeiro

alerj 2018 Frente Parlamentar busca regulamentação da maconha para uso medicinal no Rio de Janeiro

No Brasil, a legalização da maconha medicinal anda a passos lentos, contudo as vidas de muitos pacientes não podem esperar. No Rio de Janeiro, a Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Psiquiátrica busca soluções para o desenvolvimento de pesquisas e a produção da cannabis para ampliar o acesso ao tratamento. As informações são da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

A audiência pública da Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Psiquiátrica da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) debateu a importância do canabidiol (substância encontrada na planta Cannabis) para o tratamento de diversas questões como o autismo e a epilepsia. O encontro ocorreu na tarde da última sexta-feira (08/06), no Auditório Senador Nelson Carneiro, localizado no prédio anexo ao Palácio Tiradentes, Centro do Rio.

Em parceria com o Instituto Vital Brazil (IVB), a frente parlamentar, presidida pelo deputado Flávio Serafini (PSol), anunciou que buscará expandir as pesquisas e a produção da maconha medicinal para cumprir a demanda de pacientes que necessitam de seu uso no tratamento de saúde. Atualmente, as decisões judiciais permitem, além do cultivo, a compra do produto para essas pessoas. No entanto, o tratamento não é acessível a todos. O medicamento que dura seis meses custa cerca de 170 dólares. E ainda assim, apenas 4.617 pessoas têm autorização legal da Anvisa para importá-lo.

Segundo o presidente da frente parlamentar, é fundamental trabalhar com o instituto para que esse problema seja resolvido o mais rapidamente possível. “Nós já sabemos de uma série de casos que tiveram efeitos muito positivos com o uso desta substância. Não faz sentido, por puro preconceito, continuar restringindo o seu uso”, ressaltou Serafini.

De acordo com o chefe de pesquisa do IVB, Dennys Zsolt, a parceria entre a instituição e o Parlamento poderia delimitar protocolos de segurança para o cultivo pelo instituto destas plantas que são usadas com fins medicinais. “Como o Vital Brazil é do Governo do Rio, é mais viável fazer a regulamentação pela agência sanitária estadual do que pela federal. Assim, com esse caminho mais curto, mais pacientes seriam beneficiados”, afirma.

Há três anos, Mateus Moraes, 8 anos, foi diagnosticado com autismo de alto nível, que o impedia de falar, comer sozinho e estudar. Mas desde que iniciou o tratamento com o canabidiol, sua qualidade de vida melhorou. Hoje, ele lê, come sozinho e brinca com os colegas. Na escola, suas notas melhoraram significativamente. Sua irmã Rebeca, 3 anos, também é autista e desde pequena recebe os benefícios do medicamento. Quando a menina foi diagnosticada, sua mãe, Bruna Fernanda, já possuía um habeas corpus que permitia o cultivo, o que facilitou o tratamento da criança.

Para Fernanda, presidente da Associação Humanitária Canábica (AHC), legalizar a cannabis representa o fim da exclusão. “Meus filhos passaram a ter uma vida melhor depois do uso do medicamento. Não precisaram de tarja preta, que é um tipo de medicação extremamente nociva ao organismo. Eu nunca aceitei que eles tomassem isso: quero um medicamento que seja de excelência”, assegurou.

O deputado Carlos Minc (PSB) também esteve presente ao evento e defendeu o uso terapêutico da cannabis. “O cultivo desta planta no Brasil está avançando muito lentamente, mas os ganhos para a qualidade de vida dos pacientes são significativos”, declarou.

Leia também: Como o uso de maconha medicinal tem crescido no Brasil

#PraCegoVer: fotografia de capa da mesa de participantes da audiência pública realizada pela Frente Parlamentar na Alerj.

 Frente Parlamentar busca regulamentação da maconha para uso medicinal no Rio de Janeiro

Sobre Smoke Buddies

O Smoke Buddies é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smokebuddies.com.br