Esclerose Lateral Amiotrófica e o potencial terapêutico da Cannabis

cultivo maos Esclerose Lateral Amiotrófica e o potencial terapêutico da Cannabis

Uma das mais temidas doenças, a esclerose lateral amiotrófica (ELA) causa a degeneração do sistema nervoso de forma progressiva e irreversível. A ciência ainda desconhece sua cura, mas estudos revelam que a cannabis possui propriedades medicinais que podem melhorar substancialmente a qualidade de vida dos pacientes com ELA. Saiba mais com as informações da Greencamp, e tradução da Smoke Buddies.

A esclerose lateral amiotrófica (ELA) é uma rara doença neuronal que atinge os neurônios motores do corpo, responsáveis ​​pelo movimento voluntário dos músculos.

Devido à progressão muito rápida na maioria dos pacientes, e como a ciência ainda está em busca de uma cura definitiva, entender como a cannabis pode ajudar no alívio dos sintomas é incrivelmente importante para quem sofre de ELA.

As evidências disponíveis sugerem que, além da diminuição dos sintomas, a cannabis também é capaz de retardar a taxa global de progressão dessa condição horrível.

Antes de entrarmos nos estudos científicos disponíveis, tanto em humanos quanto em animais, vamos abordar o que é ELA para aqueles que não estão familiarizados com ela.

 

O que exatamente é a Esclerose Lateral Amiotrófica?

A esclerose lateral amiotrófica (geralmente abreviada como ELA, e também conhecida como doença do neurônio motor no Reino Unido, e doença de Lou Gehrig nos EUA) é uma condição rara que causa a deterioração prematura dos neurônios que estão no controle de nosso movimento muscular voluntário.

A ELA diminui rapidamente a capacidade do paciente de controlar as fibras do tecido muscular, resultando em dificuldades com praticamente todas as ações controladas pelos músculos, como andar, falar, engolir e até mesmo respirar, uma vez que ambos os neurônios motores, superiores e inferiores, sofrem danos graves.

A causa direta desta doença ainda é completamente desconhecida, pois apenas 5 a 10% dos pacientes a herdaram de um dos pais.

A esclerose lateral amiotrófica é primeiramente distinguida pela rigidez e espasmos musculares e, posteriormente, pela atrofia muscular causada pela inércia.

O início desta doença geralmente ocorre entre as idades de 50 e 60 anos, e a taxa de sobrevida é tipicamente entre dois e quatro anos a partir dos sintomas iniciais. Apenas 10% dos pacientes com ELA vivem mais de 10 anos após serem diagnosticados.

No mundo em desenvolvimento, as taxas de esclerose lateral amiotrófica estão sendo investigadas, mas na Europa e na América do Norte já se sabe que a esclerose lateral amiotrófica afeta cerca de dois a três indivíduos por 100.000 pessoas a cada ano.

A ciência moderna não encontrou uma cura até agora, e a causa mais frequente de morte é a insuficiência respiratória devido à decadência muscular.

“ELA é uma condição séria com uma causa desconhecida, onde os neurônios que controlam o movimento muscular voluntário decaem prematuramente e desaparecem.”

Breve história da ELA

A primeira pessoa a descrever esse distúrbio foi um cientista escocês chamado Charles Bell, em 1824.

Em 1850, Augustus Waller observou e ilustrou pela primeira vez as fibras nervosas danificadas e ressecadas que degeneraram por causa disso.

O neurologista francês Jean-Martin Charcot cunhou o termo esclerose lateral amiotrófica em 1874, e em seu artigo ele fez a conexão entre os sintomas e os problemas neurológicos agora comumente associados à ELA.

Em 1939, esta doença ganhou atenção mundial quando a lenda do beisebol Lou Gehrig foi atingida por ela, falecendo da doença dois anos depois.

Sem dúvida, a vítima mais famosa da ELA foi o teórico físico e cosmólogo inglês Stephen Hawking, que tinha uma forma rara desta doença que começou muito cedo em sua vida (em 1963, quando tinha 21 anos).

Os primeiros diagnósticos médicos lhe deram o prognóstico de apenas dois anos, contudo ele viveu com ELA por 55 anos.

“A ELA foi descrita pela primeira vez no início do século XIX e ganhou atenção mundial quando Lou Gehrig foi atingido por ela.”

Pesquisas disponíveis sobre ELA e canabinoides

O canabinoide CBD foi confirmado como sendo um excepcional agente de controle de crises para pacientes com epilepsia, e também como uma ajuda viável para pacientes que sofrem de ParkinsonAlzheimer e Esclerose Múltipla.

Em vista disso, podemos objetivamente dizer que os fitocanabinoides são de fato ferramentas poderosas que podem ser usadas na batalha contra muitas doenças e distúrbios neurológicos e neurodegenerativos.

Infelizmente, a pesquisa sobre esclerose lateral amiotrófica e canabinoides ainda está em sua infância, mas o corpo de trabalho disponível mostra alguns resultados muito promissores.

O primeiro estudo a ser feito é de 2006, conduzido em camundongos. Nesta pesquisa, os cientistas usaram uma medicação chamada AM1241, que é um agonista de CB2 baseado em canabinoide criado artificialmente. Um agonista é uma substância química que se liga a um receptor celular, fazendo com que ele realize uma reação biológica.

CB2 é um dos dois tipos de receptores canabinoides encontrados em todos os mamíferos (o outro é o CB1), e estes receptores são uma parte essencial do sistema endocanabinoide (SEC), juntamente com as células correspondentes que executam várias tarefas dentro do nosso corpo.

O sistema endocanabinoide é uma vasta rede de receptores canabinoides e células correlativas que são ativadas por esses receptores, localizados no cérebro, na medula espinhal e em órgãos vitais, além de outros tecidos.

O SEC desempenha um papel importante em numerosos processos, desde o sono, humor, funções imunológicas, metabolismo, movimento e dor, e garante que todo o corpo esteja em homeostase, que é um traço evolutivo dos organismos vivos para produzir equilíbrio e estabilidade em seus elementos interdependentes e, portanto, em si mesmo.

A homeostase é tentada (e às vezes alcançada, dependendo da saúde geral de um indivíduo) através de numerosos mecanismos fisiológicos.

Nosso corpo produz canabinoides internos chamados endocanabinoides, e os compostos da planta da maconha acessam o SEC de maneira similar aos nossos próprios endocanabinoides.

É assim que a intoxicação psicoativa com THC afeta nosso cérebro, e esse mesmo caminho é ativado para muitos outros benefícios médicos que a cannabis tem a oferecer.

Os endocanabinoides são biorreguladores internos e suas ações são limitadas a funções parácrinas (célula a célula) ou autócrinas (mesma célula).

Embora ainda não sejam completamente compreendidas pela ciência, as funções dos endocanabinoides são principalmente benéficas, mas também podem contribuir para muitos efeitos negativos (sensibilidade à insulina, problemas metabólicos, inflamação), porém isso só acontece se o SEC não estiver funcionando adequadamente, quando o corpo não está em homeostase.

É aqui que os canabinoides da cannabis entram em jogo, e podemos agora voltar para os ratos que nos ajudaram a entender como ajudar os pacientes com esclerose lateral amiotrófica.

Os cientistas identificaram que, embora a patologia primária da ELA seja a degeneração do neurônio motor, outras células não neuronais também contribuem para o rápido avanço desta doença, particularmente os processos inflamatórios que a acompanham.

A medicação AM1241 à base de canabinoide ajudou a retardar a progressão da ELA através da diminuição da inflamação e hiperalgesia (que é uma sensibilidade aumentada à dor, causada por qualquer dano aos nociceptores, que são neurônios sensoriais encarregados de enviar sinais de ameaça ao cérebro e coluna vertebral, ou danos aos nervos periféricos regulares). ( 1 )

O progresso geral da ELA foi significativamente retardado pela diminuição desses processos negativos e, devido à base natural da AM1241, a medicação foi extremamente bem tolerada pelos camundongos.

Em 2010, outro estudo pré-clínico também foi realizado em camundongos e publicado no American Journal of Hospice and Palliative Care.

Os resultados desta pesquisa mostraram ainda mais evidências para o efeito da cannabis contra o rápido início da doença, e também da diminuição geral dos sintomas da ELA.

Uma equipe de cientistas encarregada do estudo concluiu que os canabinoides da cannabis possuem os efeitos versáteis que são necessários para combater a natureza intricada e complexa da esclerose lateral amiotrófica. ( 2 )

Esses efeitos são:

Características antioxidantes

Características anti-inflamatórias

Características neuroprotetoras

De acordo com os resultados, a cannabis aumenta a captação de glutamato, que controla a excitabilidade das células cerebrais e melhora a função mitocondrial (mitocôndrias são organelas, uma parte da célula que cria energia para essa célula específica).

Os canabinoides também aumentam os fatores de crescimento neurotróficos, moléculas que auxiliam na sobrevivência e crescimento de neurônios novos e maduros.

Um melhor envolvimento das células da micróglia é também uma das funções da cannabis que é benéfica para os sintomas da ELA. Micróglias são células do sistema imunológico, localizadas especificamente no cérebro e na medula espinhal.

Por fim, o estudo concluiu que a cannabis aumenta a atividade de agentes antiapoptóticos, responsáveis ​​pela prevenção da morte celular, também conhecida como apoptose.

Os cientistas também acrescentaram que a cannabis tem outros mecanismos úteis para aliviar os sintomas da ELA, incluindo a redução da saliva, auxílio no sono, aumento do apetite, redução da dor, relaxamento dos músculos e efeitos da broncodilatação.

Embora esses efeitos tenham sido observados em camundongos, todos os mamíferos têm semelhanças neurológicas e celulares, e a equipe responsável por este estudo concluiu que:

“Com relação ao tratamento da ELA, tanto do ponto de vista da modificação da doença quanto do manejo dos sintomas, os ensaios clínicos com cannabis são o próximo passo lógico.”

Eles também adicionaram:

“Com base nos dados científicos atualmente disponíveis, é razoável pensar que a cannabis pode retardar significativamente a progressão da ELA, aumentando potencialmente a expectativa de vida e reduzindo substancialmente a carga geral da doença”.

“Os canabinoides da cannabis possuem atributos antioxidantes, neuroprotetores e anti-inflamatórios, e são capazes de obstruir a progressão da ELA, ao mesmo tempo em que diminuem os numerosos sintomas associados a essa doença.”

Estudos e pesquisas em humanos sobre ELA e Cannabis

Também apresentado no American Journal of Hospice and Palliative Care, uma pesquisa de 2004 começou a descobrir o efeito do uso de cannabis na ELA em humanos. Seu método era perguntar a 131 pacientes com ELA várias questões, 13 dos quais se automedicaram com cannabis por pelo menos 12 meses antes da pesquisa.

Os resultados foram bastante positivos em relação à cannabis, uma vez que os pacientes relataram diversos benefícios com o uso da planta. ( 3 )

Uma das principais vantagens inclui o alívio da depressão, que geralmente acompanha a ELA em algum grau – a mente permanece completamente intacta à medida que a doença avança, sendo uma doença verdadeiramente devastadora.

Os pacientes também relataram redução da dor, aumento do apetite e redução da espasticidade muscular .

Todos esses achados se correlacionam com as conclusões dos cientistas envolvidos no estudo com camundongos a partir de 2010.

Infelizmente, a quantidade e o tipo de cannabis usada ​​pelos pacientes nesta pesquisa são desconhecidos.

Em 2012, houve um esforço colaborativo entre a organização sem fins lucrativos PatientsLikeMe e uma equipe de pesquisa acadêmica profissional.

Os pesquisadores pesquisaram em detalhes 48 pacientes com ELA (dentro da comunidade do PatientsLikeMe) que estavam usando maconha como uma ferramenta para o alívio dos sintomas, e então analisaram os dados que os pacientes lhes forneceram.

Posteriormente, publicaram um artigo que inclui descobertas sobre os sintomas que a cannabis ajudou a diminuir e também fornece dados sobre o lado negativo do consumo de cannabis.

A influência positiva da cannabis incluiu melhorias na fala, apetite, humor, sono, deglutição e fasciculações, e maior facilidade para defecar e urinar. ( 4 )

Quanto aos efeitos colaterais do consumo de cannabis, os pacientes notaram vertigem, dor de garganta, boca seca, olhos vermelhos e dificuldades de coordenação.

As sensações de dor de garganta provavelmente teriam sido evitadas por métodos alternativos e saudáveis ​​de uso de cannabis, como comestíveis, vaporizadores e cremes tópicos infundidos com canabinoides.

Outro estudo, publicado em 2015, enfocou as diferenças entre cannabis regular e dronabinol, principalmente para pacientes com ELA.

Os cientistas concluíram que o dronabinol teve efeitos colaterais mais graves do que a cannabis regular, causando muita sedação, e também que a psicoatividade desse tetrahidrocanabinol artificial era maior que a substância natural. ( 5 )

Os canabinoides sintéticos são legais em muitos países onde a cannabis não é, devido à sua “origem não canábica”, mas é claro que também foram criados para que a indústria médica pudesse patentear o medicamento.

A única vantagem do dronabinol é que ele pode ser um substituto do THC, onde a cannabis não é legalizada, mas, fora isso, é uma alternativa muito pobre.

Consumir toda a planta é muito mais benéfico por causa do “efeito entourage”. Essa expressão foi cunhada por Raphael Mechoulam e Ben Shabat para descrever como os canabinoides interagem para diminuir os efeitos negativos um do outro (por exemplo, o CBD diminui a psicoatividade do THC) e também como os terpenos colaboram com os canabinoides para produzir toda uma série de efeitos.

“Pesquisas realizadas em pacientes humanos com ELA mostraram que a cannabis alivia a dor e a depressão, além de causar apetite e espasticidade. Melhorias significativas na fala, espasmos, deglutição e defecação também foram relatadas.”

Canabidiol (CBD) e ELA

Como a natureza da esclerose lateral amiotrófica requer que várias funções da cannabis ocorram ao mesmo tempo, incluindo mecanismos antioxidativos, anti-inflamatórios e neuroprotetores, o tratamento da ELA com apenas um canabinoide isolado (THC ou CBD) não seria eficaz devido à falta do efeito de entourage.

O CBD poderia oferecer algum alívio, mas para o efeito completo, flores inteiras devem ser usadas porque contêm tanto os canabinoides quanto os terpenos.

Qual é a melhor strain para ELA?

Escolher a strain perfeita para a ELA é difícil, devido à natureza complicada da doença. Existem algumas coisas que um paciente precisa considerar para obter os melhores resultados possíveis.

Primeiro, consumir sativas puras ou híbridas com predominância sativa é provavelmente uma má escolha por causa da característica de energização dessas variedades.

Em segundo lugar, a razão pela qual as indicas são provavelmente uma escolha melhor é a combinação única de THC e terpenos de cura encontrada nesses tipos de strains.

O terceiro e último fator é o CBD. A presença de ambos os canabinoides parece crucial para os pacientes com ELA, porque cada um fornece seus próprios benefícios distintos, que são necessários para o alívio de sintomas complexos da ELA.

Minha sugestão seria tentar várias linhagens que tenham entre as seguintes características:

Indicas Puras (ou Dominantes Indica)

Altas concentrações de THC

Níveis significativos de CBD (ou proporção de 1:1 de THC-CBD)

A química individual de cada pessoa é a razão pela qual você deve sempre tentar várias opções diferentes, para que possa determinar qual linha funciona melhor para você.

“Variedades de maconha indica-dominante são a melhor solução para quem sofre de ELA.”

Resumo

Levando em conta todas essas informações, as autoridades devem definitivamente considerar a adição da Esclerose Lateral Amiotrófica à lista de condições que qualificam um paciente para cannabis medicinal o mais rápido possível.

Estudos clínicos adicionais certamente revelarão novos benefícios promissores da cannabis para a ELA e ajudarão a entender os mecanismos por trás dela com mais precisão.

Referências

  1. Kim K, Moore DH, Makriyannis A, Abood ME; AM1241, a cannabinoid CB2 receptor selective compound, delays disease progression in a mouse model of amyotrophic lateral sclerosis; European Journal of Pharmacology, agosto de 2006, páginas 100-105.
  2. Carter GT, Abood ME, Aggarwal SK, Weiss MD; Cannabis and Amyotrophic Lateral Sclerosis: Hypothetical and Practical Applications, and a Call for Clinical Trials; American Journal of Hospice and Palliative Medicine, maio de 2010.
  3. Amtmann D1, Weydt P, Johnson KL, Jensen MP, Carter GT; Survey of cannabis use in patients with amyotrophic lateral sclerosis; American Journal of Hospice and Palliative Medicine, março de 2004, páginas 95-104.
  4. Carter GT, Bedlack R, Hardiman O, Pastula DM; ALSUntangled No. 16: Cannabis; junho de 2012, páginas 400-404.
  5. Richard S. Bedlack, MD, PhD,1 Nanette Joyce, DO,2 Gregory T. Carter, MD, MS,3 Sabrina Paganoni, MD, PhD,4 and Chafic Karam; Complementary and Alternative Therapies in ALS; Neurologic Clinics, novembro de 2015, páginas 909-936.

#PraCegoVer: fotografia (de capa) em ângulo superior de uma planta de maconha sendo segurada pelas mãos de uma pessoa que está acima da câmera. Créditos da foto: Getty Images.