Empresários analisam cultivo de maconha no Nordeste

empresarios analisam cultivo de maconha no nordeste Empresários analisam cultivo de maconha no Nordeste

Advogados de São Paulo foram contratados por empresários do agronegócio para analisar os trâmites legais do plantio de maconha no Piauí. A contratação foi feita após o Estado liberar a produção de óleo de CBD no país, que ocorreu no dia 28 de dezembro de 2017.

Grupos de empresários do agronegócio no Brasil estudam as possibilidades comerciais da plantação de maconha no Piauí. De acordo com a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, o interesse se deu após o Estado do Piauí liberar a produção do óleo do canabidiol, uma das substâncias presentes na planta e que é usada para o tratamento de convulsões.

 Empresários analisam cultivo de maconha no Nordeste

Advogados paulistas já foram contratados para verificar os trâmites legais do negócio.

Cultivo Autorizado

O governador Wellington Dias autorizou, em 28 de dezembro, a produção de canabidiol, um medicamento derivado da Cannabis sativa. Segundo informações do governo do Piauí, as universidades fabricarão o medicamento juntamente com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi), Secretaria de Estado da Saúde e o Ceir.

A pesquisa, que foi iniciada no primeiro semestre de 2017, é um investimento do Estado que visa uma melhora na qualidade de vida das pessoas que sofrem com convulsões e epilepsias, como afirma o governador Wellington Dias.

“Adotamos na rede de saúde do Piauí, pacientes que fazem uso do medicamento, de forma gratuita. Antes importávamos o canabidiol da Califórnia e de Israel, o que gerava um custo muito elevado e, a partir da autorização da produção, o Piauí passa a produzir seu próprio produto, com um investimento de cerca de 1 milhão de reais”, pontua.

Leia também:

Produção de maconha para uso terapêutico deve ocorrer em seis meses

 Empresários analisam cultivo de maconha no Nordeste

fotografia Rafael Rocha | Smoke Buddies