Conheça 5 remédios que a maconha pode substituir

5 remedios que maconha pode substituir smoke buddies Conheça 5 remédios que a maconha pode substituir

De analgésicos a ansiolíticos. De anti-depressivos a remédios para insônia. Veja 5 medicamentos vendidos na farmácia que podem facilmente ser substituídos pela maconha medicinal.

Um novo estudo, publicado na revista Drug and Alcohol Review, constatou que as pessoas estão cada vez mais substituindo medicamentos prescritos, álcool e outras substâncias ilícitas pela maconha, sinalizando uma mudança na compreensão do público sobre os benefícios medicinais da erva.

Das 473 pessoas entrevistadas pelo Centro de Vícios e Dependência da Universidade da Columbia Britânica, no Canadá, mais de 80% dos usuários de maconha medicinal relataram que substituíram medicamentos prescritos por cannabis, incluindo analgésicos à base de opiáceos.

Aperte e Leia: Mais pessoas estão usando maconha como um substituto ao álcool e remédios, diz estudo

Pessoas que sofrem de dor crônica podem ser particularmente inclinadas a usar maconha ao invés dos medicamentos prescritos, segundo os estudos recentes, estabelecendo a eficácia no tratamento contra a dor, melhorando a qualidade de vida dos pacientes, e não representando qualquer riscos graves secundários. Além de haver numerosos estudos que suportam a ideia da maconha como uma alternativa mais segura e eficaz que as pílulas causadoras de dependência numa série de doenças.

Aqui estão cinco medicamentos prescritos que poderiam ser substituídos pela maconha.

1- VICODIN (Analgésicos)

lazy placeholder Conheça 5 remédios que a maconha pode substituir

Vários estudos determinam que a maconha é uma opção de tratamento eficaz para pessoas que sofrem de dores crônicas. De acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças, 44 americanos morrem por dia devido a overdose de analgésico.

2- XANAX (Medicamento ansiolítico)

lazy placeholder Conheça 5 remédios que a maconha pode substituir

Nem todo mundo pode tratar sua ansiedade com maconha. Para alguns, fumar um baseado provoca ansiedade e paranoia aguda, mas esse efeito é muitas vezes relacionado com o tipo de maconha que o usuário consome. Considerando as espécies sativas, com uma alta associação cerebral, o que às vezes pode induzir à ansiedade (especialmente para usuários com pouca frequência), estirpes indicas de maconha demonstram o contrário reduzindo a ansiedade.

3- ADDERALL (Estimulantes)

lazy placeholder Conheça 5 remédios que a maconha pode substituir

Tal como as pessoas que sofrem de ansiedade devem estar cansadas de usar certos tipos de cannabis para tratar a sua doença, as pessoas que querem substituir o seu estimulante prescrito pela maconha devem estar ciente de que estirpes sativas (ao contrário de indicas) são mais eficazes no tratamento de TDAH e ADD.

4- AMBIEN (Tratar Insônia)

lazy placeholder Conheça 5 remédios que a maconha pode substituir

Usar a maconha para tratar problemas de insônia é uma das aplicações mais comuns. Estudos e relatórios sugerem que a maconha é mais segura e da mesma forma eficaz no tratamento da insônia comparada às drogas prescritas como o Ambien, por exemplo.

5- ZOLOFT (Antidepressivo)

lazy placeholder Conheça 5 remédios que a maconha pode substituir

Muitos pacientes de maconha medicinal e vários estudos demonstram que a maconha serve como uma opção de tratamento eficaz para a depressão. Embora possa não ser a melhor opção para todos, pesquisas mostram que fumar um baseado tem efeitos colaterais menos graves do que os que tem sido atribuídos aos antidepressivos.

Fonte: Attn
Tradução: Dave Coutinho – Smoke Buddies

#PraCegoVer: Fotografia (de capa) mostra duas fileiras de um dosador de remédios na cor branca recheados com flores de cannabis em tons de verde, em cada um dos dias da semana abreviados em inglês.

lazy placeholder Conheça 5 remédios que a maconha pode substituir

Sobre Dave Coutinho

Carioca, Maconheiro, Ativista na Luta pela Legalização da Maconha e outras causas. CEO "faz-tudo" e Co-fundador da Smoke Buddies, um projeto que começou em 2011 e para o qual, desde então, tenho me dedicado exclusivamente.